Amor incondicional

Amados, vamos aproveitar o polêmico despertar do dia que foi ao ar em 04/10/2017, para abordarmos um tema ainda pouco compreendido: o amor incondicional.

E o que eu disse nesse despertar do dia foi o seguinte: O estuprador se julga superior ao outro, interfere no seu livre arbítrio e comete o estupro. Você se julga superior ao estuprador, condena sua atitude e o julga por ser um estuprador. O estuprador se esqueceu que é Deus a ponto de cometer um estupro; você se esqueceu que é Deus a ponto de julgar um irmão. O estuprador está dormindo; você está dormindo. O estuprador um dia acordará, então não haverá mais o estupro; você um dia acordará, então não haverá mais o julgamento. E em ambos os casos, somente o amor pode promover a transformação.

Então a primeira coisa que precisa ficar clara é que amor incondicional nada tem a ver com conivência. Sentir amor incondicional por um estuprador não quer dizer que você seja a favor do estupro. Ao propor o amor incondicional eu não estou propondo que todos os estupradores sejam soltos das prisões, que ignoremos seus atos e bola para frente. Não, amar incondicionalmente não tem nada a ver com isso.

O que eu estou propondo é um novo paradigma, uma nova forma de pensar que parte do amor incondicional e não do julgamento.

É óbvio que em um planeta evoluído não existem estupradores. Assim como é óbvio que uma nação planetária não se tornou evoluída julgando aqueles que cometem atos não amor.

Eu compreendo e tenho compaixão pela revolta e decepção de muitos de vocês com a mensagem, mas compreendam: nós estamos do mesmo lado. Eu trabalho dia e noite, com muito amor, justamente para vivermos em um mundo sem estupros, sem energias de baixas vibrações. O que eu estou propondo para vocês é um outro caminho para chegarmos ao objetivo em comum. Até hoje nós utilizamos o caminho da violência, do ódio, o que eu estou propondo é que nós trilhemos pelo caminho da compreensão, do amor incondicional.

Então eu não estou querendo dizer que um estuprador não deva ir preso. Qualquer ser que interfira no livre arbítrio do próximo não está preparado para viver em sociedade. Se um ser quer cercear a liberdade do próximo, ele terá sua liberdade cerceada até que o desejo de interferir no livre arbítrio do outro seja curado.

O que eu estou colocando em discussão aqui é como essa cura pode ser feita, é o paradigma que está rodando por trás.

Nós precisamos sair da visão materialista, da crença que a terceira dimensão é a única que existe e nos tornarmos conscientes que somos seres multidimensionais. Tudo o que formos analisar, tem que ser analisado de forma multidimensional. Nós temos que nos mover do paradigma materialista reducionista para o paradigma quântico.

E para que as coisas fiquem claras, vamos analisar o paradigma vigente que está por trás da visão materialista.

Se recorrermos ao inconsciente coletivo, o que veremos no tratamento para estupradores vai de pena de morte, passa por castrações, até a prisão perpétua, esses são os top 3.

E a pena de morte é um sistema já implantado na Terra, então não tem muito segredo. É escolher a forma como será feita a execução e consumá-la. Feito isso, menos um estuprador no mundo, certo?

É aí que tá meus queridos irmãos, na realidade última, na visão fora da matrix, não é assim que funciona. O irmão que acabou de ser executado fez a passagem com a consciência de um estuprador, não foi nessa encarnação que ele despertou, ou seja, ele terá que passar por, pelo menos, mais uma experiência na Terra, logo, é literalmente uma questão de tempo para que ele esteja de volta para mais uma encarnação.

Sem contar que muitos que fazem a passagem continuam presos a terceira dimensão. São esses seres que se tornam obsessores dos estupradores encarnados, eles continuam querendo se alimentar das energias do estupro, então eles ficam “colados” no campo daqueles que vibram nessa frequência, incentivando que mais estupros aconteçam. O que eu quero dizer é que por mais que um estuprador possa agir sozinho na terceira dimensão, pode ter certeza que no astral ele estará acompanhado.

Então o que eu quero que vocês compreendam, meus amados, é que matar alguém não adianta nada. Se a pessoa não mudar a consciência, se não compreender que somente o amor incondicional existe, ela virá para mais uma encarnação com a mesma consciência, sujeito a cometer os mesmos atos. Então a pena de morte é empurrar a sujeira para debaixo do tapete, é uma solução paliativa de curto prazo, cosmicamente falando.

A castração segue o mesmo raciocínio, a diferença é que levará um tempo maior até o estuprador fazer a passagem. Então não adianta tirar do estuprador as armas que ele utiliza para cometer o estupro na terceira dimensão se nada estiver sendo feito em relação a consciência. Ele pode até não conseguir cometer mais nenhum estupro nessa encarnação, mas na próxima ele voltará com seu corpo físico novamente apto para o estupro.

E é a mesma ideia no caso da prisão perpétua, se nada for feito em relação a consciência, estaremos somente adiando o retorno de mais um estuprador para a sociedade – é uma questão de tempo.

O que eu quero dizer é que enquanto o estuprador não se tornar consciente que somente o amor incondicional existe e continuar identificado com o estupro, ele terá que ficar reencarnando na terceira dimensão. Assim como enquanto você não compreender que somente o amor incondicional existe e continuar julgando o irmão que está identificado com o estupro, você terá que ficar reencarnando na terceira dimensão, ou seja, você sempre estará em meio a estupradores.

O que eu quero que vocês compreendam, amados, é que as energias que estão por trás da pena de morte, da castração e da prisão perpétua, são o ódio, a revolta, a incompreensão, a vingança – um coquetel de energias de baixas vibrações.

Então quando eu digo que nós precisamos nos mover para o paradigma quântico, que precisamos nos perceber como seres multidimensionais, eu estou querendo dizer que todos precisam compreender a seguinte situação: quando você pensa em alguém, tudo que você estiver sentindo naquele momento será enviado para o campo desse alguém. É como se você dissesse aos correios do universo: “Correios, por gentileza, envie esses sentimentos que estou sentindo para essa pessoa que estou pensando”.

O que eu estou querendo dizer é que quando você pensa em um estuprador e começa a sentir ódio, revolta, medo, desejo de vingança, etc., você estará enviando para o campo dos estupradores ódio, revolta, desejo de vingança, etc.

E isso que estou dizendo trata-se do mesmo princípio da oração, que é quando você pensa em alguém e faz suas práticas espirituais para elevar sua vibração, visando oferecer o seu amor ao próximo. É só uma questão de frequência, uma é de baixa vibração e a outra de alta.

E é exatamente aqui que está o “X” da questão, enviar ódio, revolta, desejo de vingança, desprezo ou qualquer outro sentimento de baixa vibração em nada irá colaborar para que um estuprador desperte e deixe de ser um estuprador. Muito pelo contrário, dessa forma, com essas energias emanadas, um incentivo vibracional estará sendo enviado potencializando as energias que envolvem um estupro.

E para conseguir pensar em um estuprador e não sentir ódio, revolta, indiferença, medo, etc., é preciso que exista expansão da consciência, é preciso que exista compreensão. E se você quer compreender qualquer atitude não amor, você terá que compreender os mecanismos do ego.

O que quero que vocês compreendam é que apesar da frente sexual ser o que torna o estupro um dos traumas mais marcantes, ele nada tem a ver com o sexo, com a busca pelo prazer.

Ora irmãos, precisamos admitir que chegamos em um estágio em nossa sociedade onde conseguir sexo é algo completamente acessível. Basta você ter um smartphone e internet que você tem sexo. Noventa e nove vírgula noventa e nove por cento da população mundial sem encontra no segundo degrau da pirâmide de Maslow, ou seja, tem muita gente disponível para sexo, não existe dificuldade nenhuma.

O que eu estou querendo dizer é que um estuprador não comete um estupro pelo sexo, pelo prazer. O sexo é apenas o meio como ele exerce a completa identificação com o ego. E o que o ego quer é se sentir superior, o que ele está interessado é no poder, no domínio, no controle. E para você demonstrar poder, você precisa fazer o outro sofrer, você precisa provocar dor.

O que eu quero que fique claro é que o ego não está interessado no prazer, isso fica para segundo plano. O que ele quer realmente é o poder, a submissão, a sensação de controle.

Uma coisa é você ser um sadomasoquista, ter aprendido a sentir prazer a partir da dor. Então quando um sadomasoquista se relaciona com outro sadomasoquista, ele sente prazer a partir da própria dor e sente prazer por provocar dor no outro, no entanto, ele sente prazer em provocar dor no outro porque ele sabe que o outro está sentindo prazer a partir da dor que ele está provocando.

Já o prazer do estuprador não está em ver o prazer do outro, sendo esse prazer oriundo da dor ou não, o que ele quer, o que dispara o prazer nele, é o sofrimento, o medo, a humilhação, são todos os sentimentos de baixas vibrações que são emanados por alguém que está passando pela experiência do estupro.

Então analisando esse comportamento de forma quântica, sabemos que o externo é o reflexo do interno, ou seja, se uma pessoa está interessada em provocar sofrimento, dor, humilhação, medo, etc., em outra pessoa, quer dizer que dentro dela existe sofrimento, dor, humilhação, medo, etc.

O que eu quero dizer é que por mais que um estuprador possa se mostrar frio, calculista, que não demonstre nenhum arrependimento, que aparente não sentir nenhum medo, isso é apenas a máscara que ele está utilizando para experimentar a experiência de ser um estuprador. Dentro dele o sofrimento, a dor, o medo, estão vivos e latentes.

E isso pode ser afirmado por um motivo muito simples: ou você está amando incondicionalmente, ou você está sofrendo, com medo, experienciando algum tipo de dor.

E você não precisa ser nenhum espiritualista para chegar à conclusão que um estupro não é um ato de amor incondicional. Mas você precisa ter maturidade espiritual suficiente para compreender que o estupro não é uma questão de certo ou errado. O estupro não é certo e o estupro não é errado. Dizer o que é certo e o que é errado é um julgamento e, qualquer julgamento, é um ato de não amor incondicional.

O que eu quero dizer é que um estupro não é um ato de não amor incondicional porque ele é errado, ele é um ato de não amor incondicional porque parte da interferência no livre arbítrio e, toda interferência no livre arbítrio, parte de um julgamento, ou seja, de uma incondicionalidade. Você só pode interferir no livre arbítrio do outro se você se sentir superior ao outro – isso é um julgamento.

Então o que eu quero que todos compreendam é que um estuprador é alguém que aprendeu a sentir prazer através do sofrimento, da dor, da humilhação, etc., justamente porque são esses os sentimentos que rodam dentro do sistema dele. Então mesmo que durante o estupro ele possa aparentar estar feliz isso não é real. Ele apenas está sendo um bom ator, ele realmente incorporou a máscara de estuprador, mas, na verdade, o que ele está sentindo é ódio, medo, revolta, um conjunto de sentimentos de baixas vibrações oriundos da identificação com o ego. O fato de ter aprendido a converter isso em prazer não muda os sentimentos que ele está sentindo.

Então por trás de todo irmão que está identificado com o estupro, por trás de todos considerados por muitos como monstros, existe um Deus adormecido cheio de ódio, de medos, de traumas, de sofrimentos. Quanto maior a crueldade, maior o vazio interno.

Então quando você pensa em um estuprador e emana ódio, revolta, medo, desejo de vingança, desprezo e tudo mais que se possa imaginar, você estará colocando no campo dos estupradores exatamente as energias que eles utilizam para cometerem os estupros. Então você que tanto luta por um mundo de paz, um mundo onde não existam estupros, está colaborando energeticamente para que mais estupros aconteçam.

E é óbvio que você faz isso de forma inconsciente, é óbvio que faz por desconhecer a mecânica quântica, mas as leis universais não deixam de existir simplesmente pelo fato de você ignorá-las. Então o que acontecerá é que você irá criar sua realidade de forma inconsciente, você acha que emanando sentimentos de baixas vibrações para os estupradores você estará ajudando, estará vingando as pessoas que passaram pela experiência do estupro quando, na verdade, você estará vibrando em frequências que colaborarão para que mais estupros aconteçam.

E entendam: eu não estou dizendo que quem emana ódio, revolta, vingança, etc., para um estuprador é o responsável pelo estupro. Não, eu sempre prego a autorresponsabilidade e, se um ser comete um estupro, é de total responsabilidade dele. Agora é óbvio que a sugestão massiva de sentimentos negativos no seu campo pode interferir em sua ação, mas se identificar com esses sentimentos vai do livre arbítrio dele.

Assim como os sentimentos que você emana são de total responsabilidade sua e, emanar frequências que podem colaborar com ações não amor, também vai do seu livre arbítrio.

É por isso, meus queridos, que no despertar do dia eu disse que, assim como o estuprador está dormindo, quem o julga por estar estuprador também está dormindo. Um está negando o amor por um motivo, o outro por outro; um está julgando por um motivo, o outro por outro.

O que eu quero que vocês compreendam é que o modelo do julgamento, de emanar ódio, revolta, vingança, desprezo, etc., não é efetivo no combate ao estupro pelas razões energéticas explicadas anteriormente. Nós estamos há milhares de anos respondendo o ódio com ódio, a dor com a dor, a guerra com a guerra, e estamos colapsando esse paradigma, essa forma de pensar e agir.

O estupro nunca foi tão repudiado como nos dias de hoje, no entanto, seus números continuam crescendo. Isso corresponde a dizer que os estupradores nunca foram tão odiados, que nunca foram enviadas tantas energias de baixas vibrações para eles, no entanto, o número de estupros continua crescendo.

Nós precisamos ter a humildade e reconhecermos que o modelo baseado no ódio fracassou. É hora de nos tornarmos conscientes que somente o amor incondicional é o caminho.

Qualquer ato não amor só será curado através do amor. Somente o amor dissipa o ódio, somente o amor dissipa o sofrimento, somente o amor dissipa o medo. E não se trata de papinho nova era não, o que eu estou propondo é embasado na mecânica quântica, existe uma lógica por trás.

E eu tenho plena consciência do tamanho do desafio que eu estou propondo para vocês. Eu sei muito bem a quantidade de programações, de crenças limitantes que nos fizeram nos desconectarmos do amor incondicional. Qualquer um que fizer um trabalho de autoconhecimento com autorresponsabilidade irá enxergar os mesmos padrões, as mesmas crenças.

E como minha missão é ajudar você a quebrar esses padrões, a se lembrar quem é, eu gostaria de refrescar sua memória.

Se você está lendo este texto, se você vibrou o Despertando, quer dizer que você é uma alma extraterrestre que está vivenciando uma experiência como um espírito humano terrestre. Então se você tem medo de extraterrestres, você tem medo de você mesmo, pois és um.

O que eu quero que todos compreendam é que antes de virmos para o projeto Terra, nós estávamos em nossos planetas e dimensões de origem, ou em missão em outros planetas. Nós estamos passando por uma experiência na terceira dimensão da Terra, mas nossa alma pertence a outra dimensão de outro planeta.

Então por mais que hoje você esteja completamente adormecido em relação a isso, por mais que você se julgue incapaz de amar incondicionalmente, até bem pouco tempo atrás, cosmicamente falando, você estava vibrando em dimensões onde reina o amor incondicional.

E antes que alguém pergunte: “Como você sabe disso? ”, eu respondo: eletromagnetismo. Eu sei as frequências que estou emanando neste texto, eu sei as frequências que estou emanando no Despertando, logo, através do eletromagnetismo, eu sei quem será atraído.

Então nós viemos para a missão Terra porque aceitamos o seguinte chamado que um dia nos foi feito: “Irmãos, o Todo os convida a vivenciarem uma experiência no planeta Terra. Se trata de um belo planeta localizado na via láctea. E essa linda casa está passando pelo estágio de consciência da terceira dimensão, neste momento, lá habitam irmãos que optaram por experimentar a sensação de separação da Fonte, que resolveram experimentar a ilusão. Então a missão que o Todo propõe é que vocês ajudem no processo de mudança de consciência desse querido planeta. E para que isso possa ocorrer, vocês terão que se esquecer das suas vidas passadas, terão que experimentar a falsa sensação de separação da Fonte e, através do amor incondicional, despertarem para a realidade. E é através desse processo individual: de se esquecer, experimentar a separação e despertar, que a Terra irá fazer a sua ascensão dimensional”.

O que eu quero que fique claro para todos é que nós aceitamos a missão conscientes do tamanho do desafio. Acontece que por mais que nós estivéssemos vivendo no amor incondicional há muito tempo, por mais que não seria a nossa primeira experiência na terceira dimensão, quando você reduz sua vibração para as frequências da matéria, quando ganha um corpo físico humano, tem sua memória “apagada” e dá o start no jogo, a conversa é outra.

Então nós estávamos conscientes que encontraríamos irmãos perdidos, irmãos de outras nações planetárias que decidiram vivenciar a negação ao amor com todas as suas forças. E são esses irmãos que criaram a matrix que vivemos e ajudamos a sustentar. Então se a nossa missão era esquecer e se lembrar que é Deus, ela ganha em nível de dificuldade quando existe um cenário todo preparado para que você permaneça dormindo, se sentindo tudo menos Deus.

E o mais importante de tudo, nós estávamos conscientes que viríamos nessa missão para experimentar, para a criarmos a realidade a partir de uma consciência que se julga separada da Fonte e, a partir dessas experiências, nos tornarmos uma alma ainda mais complexa.

O que eu estou querendo dizer, queridos, é que nós sabíamos que iríamos nos tornar ladrões, assassinos, estupradores, vingativos, belicosos, medrosos, etc. A partir do momento que a missão envolvia a experiência da sensação de separação da Fonte, era óbvio que nós experimentaríamos as mais variadas frequências de baixas vibrações.

E nós aceitamos porque, naquele momento, nós estávamos imersos no amor incondicional. Nós tínhamos plena consciência que por mais que passássemos milhares de anos experimentando a negação ao amor, por mais que fossemos a fundo naquilo que chamamos de trevas, tudo não passaria de experiências que fatalmente nos levariam a iluminação. Quando nós dizemos o “sim”, nós estávamos em um estado de consciência além do bem e do mal, nós estávamos em um estado transcendente a dualidade.

E a nossa missão é retornarmos exatamente para esse estado de consciência. O despertar corresponde a nos recordarmos quem realmente somos, a voltarmos a vibrar o amor incondicional.

Qualquer trauma, seja ele um estupro, uma morte traumática, um abandono, não importa, só será curado, ou seja, transcendido, quando o olhar for através do amor incondicional. Enquanto você acreditar no bem ou mal, certo ou errado, positivo ou negativo, enquanto você não compreender que tudo são experiências, os traumas persistirão.

Compreenda: se não existisse o que nós convencionamos chamar de mal, então o Todo não seria o Todo, pois o Todo sem uma parte não é o Todo. Assim como se não pudesse existir o que convencionamos chamar de mal, então o Todo não seria o amor incondicional, pois haveria a condição de não existir o mal.

É preciso que fique claro que tudo é uma questão de frequência. Deus, o Todo, é uma onda que vibra em uma frequência, literalmente, inimaginavelmente alta. Só que para Ele não existe problema algum em reduzir sua frequência até as vibrações mais densas. Deus não é mais Deus nas dimensões mais sutis Dele mesmo do que nas dimensões mais densas Dele mesmo. Não existe mais ou menos, não existe superior ou inferior; Deus é Deus na primeira dimensão Dele mesmo assim como é Deus na décima dimensão Dele mesmo – Deus É!

Tudo é uma questão de frequência e Deus É todas as frequências.

Então precisa ficar claro que fomos nós, humanos terrestres, que convencionamos denominar as experiências de vibrações mais densas de mal, de trevas, de errado, etc. essa é uma visão humana, egóica, na visão de Deus não existe nada disso, apenas frequências a serem experimentadas.

O que eu quero dizer, amados, é que uma pessoa que passou pela experiência do estupro irá carregar o trauma enquanto não tomar consciência que tudo são experiências a serem vivenciadas. Você não é o estuprado, você é aquele que passou pela experiência do estupro. Você não é a experiência, você é aquele que passa pela experiência. Você é sempre o observador.

E a lógica por trás de você ser o observador é muito simples: em última instância, a ideia que temos do “você” não existe; somente Deus existe, Deus É. Então na realidade nós somos manifestações de Deus, nós somos canais, ou seja, nós somos aqueles que observam Deus em ação.

Acontece que ao sermos manifestações de Deus, nós somos Ele em potencial, logo, nós temos o livre arbítrio de agirmos a partir do ego e, ao invés de nos colocarmos como observadores, no nosso devido papel, nós nos identificamos com a experiência, nós nos identificamos com o estupro e nos tornamos um estuprado.

Eu sei que nesse momento muitas mentes irão gritar: “Você fala isso porque nunca foi estuprado, você não tem nenhuma sensibilidade e compaixão com quem sofreu com essa crueldade! ”.

Pois eu lhes digo, irmãos amados, que apesar de nessa encarnação eu ser um jovem de recém completados trinta e três anos, eu venho atuando no projeto Terra há muito mais tempo que você possa imaginar. O que estou querendo dizer é que eu estou experienciando a terceira dimensão há milhares de anos e podemos dizer que eu já passei por um conjunto bem amplo de experiências.

Eu já fui estuprado, já fui queimado na fogueira, já fui brutalmente assassinado como escravo, já fui brutalmente assassinado como índio, já passei por diversas experiências de baixas vibrações. Assim como eu já fui assassino, já fui estuprador, já fui ladrão, já usei meus conhecimentos para prejudicar as pessoas, já cometi muitos atos de também baixas vibrações.

E eu sei disso, eu tive acesso a essas informações, justamente por ter compreendido que somente o amor incondicional existe e que tudo que passamos são experiências. Enquanto você não for capaz de se olhar sem julgamento, enquanto não sentir realmente compaixão, você não estará preparado para olhar para sua história.

E é por isso que na Terra existe a lei da amnésia, é por isso que nós temos o acesso as nossas vidas passadas bloqueado a cada encarnação. Imagina se você, amado irmão, que hoje ao pensar em um estuprador sente ódio, revolta, desprezo, nojo, etc., descobrisse que em uma vida passada você foi um estuprador, como seria?

Aí de duas uma: ou você é um hipócrita e estava julgando o estuprador para se adequar a sociedade, ou você entrará na culpa e se sentirá um monstro, irá passar a sentir nojo, desprezo de si próprio.

E é por isso que nós temos o acesso momentaneamente bloqueado, para termos mais uma chance de fazermos diferente, de optarmos pelo amor incondicional.

Então eu sei muito bem a dor, a humilhação, a sensação de impotência, o medo, o trauma que é ser estuprado. Quando eu digo que você não é o estuprado e sim aquele que passou pela experiência do estupro, eu não estou querendo dizer que você deva ignorar o que foi sentido, fingir que nada aconteceu. Não, a intensidade da dor, a profundida do sentimento de humilhação, o quão densos são os sentimentos experienciados não nos permitem apenas ignorar – são nós que ficam registrados nos nossos corpos mental e emocional.

O que eu estou querendo dizer é que você não irá superar o trauma enquanto não compreender que tudo são experiências, tudo são frequências a serem vivenciadas. Então a experiência da dor foi intensa e foi real, a experiência do medo foi intensa e foi real, a experiência da humilhação foi intensa e foi real, todas as frequências experienciadas naquele momento foram intensas e foram reais, mas continuam sendo experiências.

E eu estou vos relembrando da nossa história para que todos compreendam que nós estamos em um jogo, nós estamos vivenciando uma grande experiência. E para sair do jogo você precisa, primeiro, enxergar o jogo e, para enxergá-lo, você precisa se colocar como o observador, você precisa se desidentificar das experiências que vivenciou.

Eu sei que muitas pessoas veem minha proposta como algo impossível de ser alcançado, como utopia, e eu compreendo e tenho compaixão por essas pessoas. Na encarnação em que eu passei pela experiência do estupro eu também não consegui compreender isso que estou propondo agora, muito pelo contrário, ter passado pela experiência do estupro foi um dos principais fatores que me levaram ao suicídio na encarnação em questão.

Então o que estou fazendo aqui é compartilhando com vocês a forma como eu transcendi esse trauma. E a melhor parte de tudo é saber que não importa o tempo que irá levar, se será nessa vida, na próxima vida, daqui um bilhão de anos, não importa, um dia você irá despertar do sonho e enxergará tudo como experiências.

E eu falo com certeza pois somente o amor incondicional existe e somente ele existirá. Por mais que você o negue, por mais que você possua uma série de traumas, uma série de condições para se amar e, consequentemente, amar o próximo, é inevitável que um dia você chegue à conclusão do amor incondicional.

É verdade que nós estamos passando por um momento de transição na Terra, que em breve nosso querido planeta será um ambiente onde somente o amor incondicional reinará, mas a terceira dimensão nunca deixará de existir. Aqueles que optarem por permanecer vibrando nas frequências da matéria continuarão suas evoluções em um planeta que esteja em um estado de consciência compatível. O que eu estou querendo dizer é que, mais dia ou menos dia, na Terra ou em outro planeta, todos irão despertar para o amor incondicional.

E quando eu digo todos, são todos. O estuprador irá despertar e então não haverá mais o estupro. Assim como quem julga o estuprador irá despertar e então não haverá mais o julgamento.

Então minha proposta é que nós passemos a olhar não somente os estupradores, mas qualquer irmão que esteja vivenciando uma experiência de baixa vibração com os olhos da realidade. E nos olhos da realidade nenhum irmão é um estuprador, ele é o ser que está passando pela experiência de estuprador, ele está estuprador. Nenhum irmão é um assassino, ele é o ser que está passando pela experiência de assassino, ele está assassino.

Então se um irmão optou por vibrar nas frequências mais densas, se está vivenciando a falsa sensação de separação da Fonte de forma intensa, apenas compreenda e tenha compaixão. Ao olhar, ao pensar nele, não olhe e pense no que ele está, olhe e pense o que ele é. E todos os seres que existem são Deus, uns estão mais conscientes disso, outros menos, não importa.

O que eu estou querendo dizer é que quando eu olho para uma pessoa eu não vejo um homem, não vejo uma mulher, não vejo uma criança, não vejo um adulto, não vejo um negro, não vejo um branco, não vejo um estuprador, não vejo um padre… eu não vejo nada do que ele possa estar, eu só vejo o Deus que realmente ele É.

Então por mais que um irmão esteja completamente imerso na ilusão, vibrando as frequências mais densas que o ego possa imaginar, eu não posso simplesmente fingir que não estou consciente que o irmão é Deus, que está passando por experiências de vibrações densas e que, mais dia ou menos dia, irá se recordar quem realmente é.

Eu compreendo e tenho compaixão pelo estado evolutivo em que ele se encontra, eu honro e acolho o seu livre arbítrio de criar sua realidade a partir da ilusão da separação. Assim como eu honro e acolho o meu livre arbítrio de criar minha realidade a partir do amor incondicional.

Então estupradores, assassinos, políticos corruptos e todos aqueles que estão vivenciando a falsa sensação de separação da Fonte, não importando o nível da separação, estão incluídos nas minhas orações diárias.

Se o mundo inteiro está emanando ódio, desprezo, desejo de morte, vingança e qualquer energia de baixa vibração que se possa imaginar para os estupradores, eu estou enviando amor. Enquanto o mundo inteiro está sugerindo aos estupradores: haja a partir do ódio, do medo, da revolta, do desprezo, etc., eu estou sugerindo: haja a partir do amor.

E não pense que eu me vejo em uma luta perdida, muito pelo contrário, eu estou “lutando” uma guerra já vencida, todos um dia irão despertar para o amor incondicional. Eu só estou fazendo a minha parte, estou enviando aos irmãos aquilo que eu desejo que desperte neles, ou seja, o amor.

Então se você realmente quer que um irmão que esteja identificado com a experiência de estuprador se desidentifique, que eleve a sua frequência e deixe de cometer estupros, você precisa enviar amor para ele. Se você realmente quer que um irmão que esteja identificado com a experiência de assassino saia dessa frequência, você precisa enviar amor para ele.

E quanto mais formos enviando amor para esses irmãos, maior será a chances deles despertarem. É óbvio que tudo se trata de uma questão de livre arbítrio, em última instância cada ser é livre para fazer o que quiser, assim como é óbvio que as energias do inconsciente coletivo possuem uma grande influência.

Nós nunca iremos conseguir mudar o outro, a única coisa que está sob nosso controle são as frequências que emanamos para o outro. Então façamos nossa parte, enviemos amor.

E essa mesma lógica tem que ser utilizada quando pensamos naqueles irmãos que passaram pela experiência do estupro. Ter empatia e compaixão é se colocar no lugar do outro, compreender e acolher o seu estado físico, mental e emocional e emanar amor para eles. Ter empatia e compaixão não é sofrer junto, não é tomar as dores do outro e entrar nas mesmas energias. Quando isso acontece, você estará enviando mais dor, mais revolta, mais medo, etc., você estará reforçando o trauma e não ajudando a transcende-lo.

Ser amigo não é sofrer junto, ser amigo é acolher e, através do amor incondicional, contribuir para que o outro eleve sua vibração. O sofrer junto, o tomar as dores, podem até parecer bonitinhos, são românticos, mas em termos de realidade última possuem o efeito contrário. Você não irá colaborar para que alguém eleve sua vibração enviando para esse alguém mais sentimentos de baixas vibrações.

Então o que eu estou propondo é uma mudança de paradigma. É nos movermos da crença que estamos separados, que tudo ser resolve no ódio e na vingança, para a realidade da unificação, onde o amor incondicional é a base de tudo.

E amados irmãos, eu poderia ter usado qualquer outra experiência de baixa vibração como exemplo no despertar do dia, mas eu escolhi o estupro exatamente pelo impacto que ele tem. Essa escolha é para que todos compreendam o que quer dizer amor incondicional – realmente sem condições.

Não adianta ter nos perfis das redes sociais frases como: “Eu e Deus somos Um”, se dentro de você existir uma repulsa aos estupradores; se você e Deus são um, então você e os estupradores também são, pois os estupradores e Deus são um. Não adianta frases como: “Eu sou luz”, se quando você pensa nos estupradores você emana sombras.

Essas frases mostram que você compreendeu intelectualmente que é um com Deus, que é luz. Agora o próximo passo é se sentir um com Deus, sentir a sua luz.

E eu tenho plena consciência que muitos não irão concordar com a minha proposta, eu os compreendo e os ofereço a minha compaixão. Para que minhas palavras façam sentido, é preciso que exista um desejo de se mover da revolta para a compreensão, da negação para a aceitação, da guerra para a paz.

Só gostaria que todos compreendessem que o que eu estou propondo nada tem a ver com ser conivente com os estupradores, nada tem a ver com passar a mão na cabeça daqueles que, através do seu livre arbítrio, interferem de forma brutal no livre arbítrio do outro. Não, qualquer ser que esteja nesse estado de consciência precisa ser retirado da vida em sociedade, precisa ir preso.

O que eu estou propondo é uma outra forma de lidarmos com o estupro, uma alternativa para que possamos reduzir até zerar os seus casos. Uma forma que parta da realidade última e, na realidade última, todos somos Deuses experienciando as mais diversas frequências que a terceira dimensão pode nos proporcionar e que fatalmente nos levarão a recordação de quem realmente somos.

Amar incondicionalmente é o destino em comum de todos os seres, cada um trilhará um caminho que levará a essa verdade. E a incondicionalidade só poderá ser experienciada quando a dualidade for transcendida, quando houver a compreensão que não existe bem ou mal, certo ou errado, e sim, que tudo são experiências a serem vivenciadas.

Busque conhecimento, emita amor, seja luz!

 

  • Excelente discussão! Obrigado por partilhar essa experiência!

    Uma dúvida: Você comentou sobre suas vidas passadas como se soubesse delas. Esse conhecimento se dá através da Psicoterapia Reencarnacionista ou algo do tipo? Se possível, podes indicar algumas referências para eu me situar melhor do assunto? Abraço!

  • Leonardo Jahn

    É incrível como ressoei com esse texto (amor incondicional) horas antes de encontrá-lo e também muitas vezes durante a leitura.
    Gratidão por todo o conhecimento e sentimento aqui colocado.
    Com amor, Leonardo