Aniversário

Desde pequeno, sempre tive um problema com aniversário.

E não é nem que eu não gostasse, na verdade, eu não o entendia.

Assim que tomei consciência de mim mesmo, essa data tornou-se um dia a ser evitado.

E era no ápice dele que a situação ficava tensa, é exatamente no momento do: “parabéns pra você”, que eu era tomado por uma forte energia de constrangimento. E o constrangimento era a frequência emanada fruto de um pensamento/sentimento de: produção, o que esse povo tá fazendo? Por que eles estão me dando parabéns sendo que eu não fiz nada demais, só existi por mais um ano?

Bobo que não sou, olhei o lado “bom” do aniversário e, assim, o utilizei para garantir a presença do maior número de amigos ao meu lado. No entanto, confesso que sempre me sentia desconfortável ao ter que dar uma “carteirada” de aniversário, no fundo, não me fazia sentido.

 Mas como todo rio corre para o mar, todos que estão dormindo, um dia, acordarão, e, eu, acordei.

 E quando você acorda, é como um óculos para um estigmático. Onde havia um borrão, onde havia uma incerteza, como num passe de mágica, passa a existir uma linda imagem em HD.

 O aniversário é fruto do ego, e o ego, é o responsável pelo medo. Então, nosso querido dia, nada mais é que a mistura do medo de não ser amado, com o medo da morte.

 Tem aqueles que contam os dias para essa data chegar, esperam ansiosos pelo “seu dia”, o dia em que serão especiais, que todos lembrarão de você. E a cada parabéns recebido, a cada frase bonitinha no face, uma falsa felicidade toma conta de si.

 E digo falsa felicidade, pois, basta que uma pessoa considerada importante se esqueça dos parabéns, que toda a felicidade dá lugar a uma grande tristeza, a uma grande frustração. Uma felicidade genuína não pode depender de fatores externos, a felicidade, o amor, É.

És Deus, o Todo, e, Ele, é o amor. E o amor, é a mais pura felicidade. E és Deus todos os dias, não é uma opção, é a realidade. Então se a pessoa se sente mais feliz no seu aniversário, quer dizer que essa felicidade não provém da certeza de ser Deus, o Todo, pois, se assim fosse, a felicidade seria a mesma todos os dias, e não diferenciada em uma única data. Logo, se a felicidade não é oriunda do estado de unificação com Ele, é fruto do ego.

E a busca por essa felicidade ganha tons doentios. As pessoas chegam a falar umas para outras: olha, eu vim só por que é seu aniversário. Isso equivale a: olha, eu por mim não viria, mas como você faz muita questão, eu faço esse esforço. E na verdade, uma pessoa que faz isso, no fundo, ela também tem medo que o outro não vá no aniversário dela, e assim, ela não se sinta importante. Então para garantir o maior número de pessoas, para se sentir o mais especial possível, ela chega a fazer algo que não estava com vontade de fazer.

E o aniversariante, ao ouvir isso, se sente feliz, se sente importante. Isso é reflexo da sociedade que criamos, onde o sofrimento é visto como bom. Nós ficamos felizes quando as pessoas que “amamos”, demonstram sofrimento por nós.

Observem o quanto isso foge do amor incondicional, se queremos muito que alguém esteja conosco em nosso aniversário, é por que amamos essa pessoa. Se amamos alguém, incondicionalmente, o que queremos é que essa pessoa seja feliz o tempo todo. Se a pessoa fala que só veio por que era seu aniversário, quer dizer que, se não fosse por essa data específica, ela não queria estar ali. É impossível existir felicidade quando se está fazendo algo que não quer, portanto, se o aniversariante ama incondicionalmente seus convidados, ele só irá ficar, realmente, feliz, se seus convidados estiverem realmente felizes, e isso independe do lugar que estiverem, próximos ou não fisicamente. Não existem condições para o verdadeiro amor.

E entendam: eu não tenho nada contra o desejo de nos sentirmos amados. Muito pelo contrário, eu trabalho exatamente para isso, para que todos se sintam amados. Mas o verdadeiro amor, e não um amor dependente da quantidade de pessoas que se lembram do seu aniversário, tampouco do quanto essas pessoas se esforçam (sofrem) para estarem com você nessa data.

E todo aniversário é um convite a nos lembrarmos da morte.

Os que dizem que não olham com esses “olhos”, não passam de medrosos não assumidos, pois, de fato, a cada ano que passa, você está mais perto da morte. Ignorar, fingir que isso não existe, demonstra o medo que se tem de pensar sobre isso, de encarar a morte de frente.

Existem também os medrosos assumidos. Essa é a turma que não gosta nem de falar sobre idade, então, a cada vez que o assunto aniversário entra em cena, a proximidade da morte é escancarada pela mente programada para o medo.

 Uma pessoa que não gosta de falar a idade, é uma pessoa que tem tanto medo da morte, que prefere não contar quanto tempo ainda lhe falta, ela morre de medo de pensar sobre isso. A mente pode te levar a achar que é uma questão de vaidade, de corpo físico. Porém, as rugas, os cabelos brancos, são apenas características que foram atreladas ao fim, a morte.

 A ignorância em relação ao fenômeno transitório denominado, na Terra de terceira dimensão, de morte, faz com que o medo seja o sentimento associado a ela.

 A morte sempre foi um tabu, sempre foi um assunto a ser evitado. E faz total sentido, pois, se falássemos abertamente sobre ela, se nos dedicássemos a entende-la, todo esse medo, toda essa associação negativa, iria se desfazer. No entanto, o propósito dos seres que comandam a Terra é nos manter com medo, e para isso, é preciso nos manter ignorantes.

 Então vivemos a evitando e, quando ela chega, tratamos de enfeitá-la com flores, com belas palavras, tentando mascarar o medo do desconhecido.

 O dia do aniversário e o dia da morte tem muito em comum. Ambos o torna especial, ambos o colocam em uma posição de destaque, e, ambos, demonstram negação ao amor, negação a vida eterna.

 Quando se acorda, tanto o aniversário quanto a morte, deixam de existir.

 O primeiro perde o sentido pois você se lembra do seu passado, e quando digo isso, não quero dizer de recordações de vidas passadas, isso você consegue com uma leitura de aura, existem “n” ferramentas para isso. Mas não, quando eu digo que você se lembra do seu passado, quer dizer que você se lembra de quem você realmente é, e quando isso acontece, você se lembra que, na verdade, você sempre existiu.

 Nós não existimos, quem existe, é Ele, o Todo. E Ele sempre existiu, não existe um momento não-Ele, nem nada que esteja fora dele. Não existe a não-existência, mesmo antes do Big Bang, nós estávamos lá, existindo dentro Dele. Ele é o passado, o presente e o futuro, e nós, somos um pedacinho Dele experienciando toda sua onipotência.

Quando se tem consciência disso, torna-se ilógico comemorar seu aniversário.

E entendam: eu não sou contra a celebração, nem contra escolhermos uma data específica para nos reunirmos, muito pelo contrário, eu sou totalmente a favor da celebração. Porém, quando feita com consciência, quando é fruto do prazer gerado por estar vivo.

Quando entendemos a morte, quando compreendemos esse fenômeno transitório, ganhamos a vida eterna. Somente quando isso acontece, é que somos capazes de realmente comemorar nosso aniversário, pois, só assim, ele estará livre da lembrança da falsa morte, da proximidade do fim.

Hoje, dia 1 de outubro, celebro mais um ano de existência. Existência essa que não teve início, e muito menos terá fim, portanto, hoje completo todos os anos possíveis.

Nessa encarnação, onde estou Raoni, essa é minha trigésima segunda primavera, trinta dormindo, e a segunda acordado.

E hoje, sem nenhum constrangimento, convido todos a celebrarem meu aniversário, a celebrarem o amor.

Ao ler esse texto, ao ter contato com o Despertando, criamos entre nós um duto energético onde podemos trocar energias. O que envio a vocês, é minha essência, o amor, e, o que desejo de presente, é sua essência, seu amor.

Então assim que você ler essa mensagem, independentemente de que dia seja, independentemente de como esteja seu humor, pare de fingir que é triste, para de fingir que não é Deus. Me presenteie com seu amor, tire um dia para ser feliz, tire um dia para olhar o mundo com os olhos da realidade, pois, ao fazer isso, estará me presenteando, se presenteando e presenteando todo o Universo.

 E cuidado, o amor é o maior vício que existe, uma vez que você o experimenta, nunca mais conseguirá ficar sem.

 Parabéns para mim! Parabéns para o amor!

 Busque conhecimento, emita amor, seja Luz.

  • Vania Rocha

    Raoni, grata por ter encontrado esta equipe! Acabei de ler o texto acima, recebo seu amor e emano pra você, somos um!

  • Pedro Caires

    lindo lindo

  • Luiza LO

    Parabéns! Pra nós, todo amor do mundo! 😉☺️