Página Principal / A Descoberta do Buda / A descoberta do Buda – A folha amarela

A descoberta do Buda – A folha amarela

Sutra: Você é como a folha amarela. Os mensageiros da morte estão à mão. Você tem de viajar para longe. O que você levará consigo?

Osho: Há duas coisas na vida que são as mais importantes. A primeira é o nascimento e a segunda é a morte – tudo o mais é trivial. A primeira já aconteceu, agora não se pode fazer mais nada a respeito. A segunda não aconteceu ainda, mas pode acontecer a qualquer momento. Desse modo, aqueles que estão alertas vão se preparar, eles se prepararão para a morte. Nada pode ser feito quanto ao nascimento, mas muito pode ser feito quanto à morte. Mas as pessoas não querem nem pensar sobre a morte; elas até evitam o assunto. Não se considera educado falar sobre isso. Mesmo que elas se refiram à morte, fazem isso de forma indireta. Se alguém morre, nós não dizemos que a pessoa morreu. Dizemos que Deus a chamou para junto dele, que Deus a amava muito e que todo aquele que Deus ama muito, ele chama mais cedo; que ela foi para o céu, que ela não morreu – somente o corpo voltou à terra, mas a alma – a alma é imortal.

Você já ouviu dizer que alguém foi para o inferno? Todo mundo vai para o céu. Temos tanto medo da morte que tentamos fazê-la tão bela quanto possível: nós a enfeitamos, falamos belas palavras sobre ela, tentamos evitar o fato.

Mas Buda insiste repetidamente – por toda a vida depois da sua iluminação, durante 42 anos, continuamente, de manhã e à noite, dia após dia, ano após ano, ele falou sobre a morte. Por quê? Muitas pessoas pensam que ele é pessimista – ele não é. Ele não é nem otimista nem pessimista. Ele é realista, é muito pragmático. Ele fala sério, porque sabe que só uma única coisa restou a você, sobre a qual algo pode ser feito e deve ser feito – essa coisa é a morte.

Nós falamos sobre todo mundo que morre – que a pessoa foi para o céu, que se tornou amado de Deus, que Deus o escolheu, chamou-o e assim por diante… meios de se evitar a morte.

Mas Buda fala continuamente sobre a morte. Ele diz: “Você é como a folha amarela”. A folha amarela representa a morte. A qualquer momento ela vai cair, pó virando pó. A qualquer momento… e a morte vai tomar posse de você… O amanhã pode não chegar jamais, nem o próximo momento é certo. Este é o único momento do qual você pode estar certo; no seguinte, você pode não estar mais aqui. O que você está fazendo para se preparar para essa grande jornada rumo ao desconhecido?

A morte é poderosa, mas uma coisa ela não pode levar de você – a meditação. Se você conseguir ficar enraizado no seu ser – alerta, consciente, atento –, verá que você não é o corpo, e você não é a mente, e você não é o coração. Você é simplesmente a alma que testemunha, e essa testemunha irá com você. Então, você pode testemunhar até a morte. Esse testemunhar é a fonte de toda a religiosidade. Aqueles que atingiram essa fonte são os iluminados, são os budas.

Despertando: Até quando você irá correr da morte?

E correr da morte não é somente temê-la, correr da morte, é não pensar sobre ela.

Existe um programa de vida predefinido quando você chega ao mundo que te diz tudo que você precisa fazer, desde seu primeiro dia de vida, até o último. Mas ninguém nunca te instigou a pensar em como será o depois da morte.

E a conversa é simples: ou você acredita que a morte seja um fim, uma tela preta onde você perderá a consciência e deixará de existir, ou alguma ideia de como será o “outro lado” você precisa ter.

E não importa qual seja a sua crença, você terá que explorar os diversos cenários. Se você acredita no céu e inferno, você precisa se perguntar: “Como será quando eu for para o céu? O que eu farei lá? Qual será o meu trabalho? Eu vou, finalmente, conhecer Deus? E os próximos passos, quais serão? E se eu for para o inferno, como será? Eu vou ter que trabalhar igual trabalho enquanto estou vivo? Eu vou ficar sofrendo por toda a eternidade lá? O diabo realmente existe?”.

Se a morte fosse uma questão de probabilidade, nós poderíamos nos dar o luxo de não pensar sobre ela. Mas não, ela é uma certeza absoluta, mais dia ou menos dia, ela irá acontecer.

“Os mensageiros da morte estão à mão…”

Por mais que você evite o assunto, a morte sempre estará ao seu redor. Pode ser um cantor ou artista famoso que você gostava, pode ser um parente de um amigo próximo, pode ser alguém da sua família. Não importa a distância, você sempre será lembrado dela.

“Você tem de viajar para longe…”

Não importa a sua crença rem relação à morte, não importa para qual faixa vibracional você irá, o fato é que na terceira dimensão você não estará mais. A tão temida jornada rumo ao desconhecido terá que ser feita. Você tendo noção ou não do que te espera do “outro lado”, você terá que ir para o “outro lado”.

“O que você levará consigo?”

Todos já compreenderam que as riquezas materiais, assim como o corpo físico, ficarão para trás. Mas o que levaremos conosco? As pessoas acreditam que finalmente alcançarão o tão famoso descanso eterno, ou que estarão juntas a Deus, ou irão pagar pelos seus pecados no inferno. O que elas não cogitam, pela ideia ilusória que possuem da morte, é que elas continuarão a pensar e sentir exatamente da mesma forma que pensavam e sentiam antes de fazerem a passagem. A morte não é um “reset” como muitas pessoas pensam, não existe perda de informação com a sua ocorrência – você irá continuar consciente, irá continuar sob os efeitos das suas crenças.

É óbvio que você terá toda a oportunidade de se livrar do pensamento materialista, pois, estará vendo com os próprios olhos que existe uma outra dimensão, uma realidade diferente da terceira dimensão. E esse fato, se bem aproveitado, pode trazer um grande salto evolutivo na vida do ser. Mas isso, por si só, não garante que a pessoa irá compreender os mecanismos da existência, que ela vá se livrar do medo e se render ao amor.

O medo da morte vem do medo do desconhecido. E você não precisa morrer para conhecê-la, você pode compreendê-la através da meditação.

A morte, tecnicamente falando, nada mais é que a passagem para uma outra dimensão. É verdade que ela é o fim para o seu corpo físico, mas você não é seu corpo físico; ele é seu veículo sagrado para transitar na terceira dimensão, mas você não é ele – você está nele. Todas as informações da sua existência, tudo que você pensou e sentiu em todas as suas encarnações, está registrado nos seus corpos mental e emocional, que não estão na terceira dimensão.

E a meditação trata-se do mesmo processo, você também irá acessar uma outra dimensão, só que seu corpo físico continuará em funcionamento, seu coração continuará batendo. Mas você não estará no seu corpo físico, a sensação, será a de não-corpo.

Então se você se dedicar a meditação, se você se dedicar a observar, perceberá que a morte, da forma como muitas pessoas pensam: como um fim, como algo misterioso, não passa de uma ilusão. A vida não se limita a terceira dimensão, ela está presente também na terceira dimensão, mas não somente nela.

Se você se tornar um meditador, irá se tornar um observador da existência e, ao se tornar o observador, terá atingido a vida eterna.

Busque conhecimento, emita amor, seja Luz.