Página Principal / A Descoberta do Buda / A descoberta do Buda – O caminho da lei

A descoberta do Buda – O caminho da lei

Sutra: Se você determina seu curso com força ou velocidade, você perde o caminho da lei.

Osho: O ego é sempre agressivo; ele só pode existir por meio da agressão. Ele cria tal confusão, tamanha poeira, tanta fumaça, que você nem consegue enxergar. Ele o deixa cego. Ele lhe dá voltas e voltas, e o deixa tonto. Eis por que o ego está sempre ansiando por mais e mais poder, mais e mais força. Ele quer fazer as coisas com força absoluta.

O ego é um fascista, um totalitário, é ditatorial. Ele não quer nenhuma rebelião contra ele. Ele imediatamente destrói qualquer possibilidade de você se tornar livre dele. Basta uma semente de rebelião… e ele começa a destruí-la. Ele está constantemente observando. Está constantemente tentando mantê-lo tão ocupado que você nunca fica ciente da grande escravidão na qual está vivendo. E o ego é muito esperto; ele o convence de que “eu sou você”.

Assim, basta que a ideia de abandonar o ego surja para que você comece a se sentir como se estivesse perdendo a identidade. O ego não é a sua identidade. É por causa do ego que você não é capaz de saber quem você realmente é. O ego é a barreira. Ele o mantém correndo e o mantém em tal velocidade, em tamanha pressa, que você não tem tempo para pensar sobre as coisas, para ponderar, meditar, ver o que você está fazendo e por que você está fazendo aquilo.

Ele não lhe dá nenhum tempo para ver. Ele o mantém enlouquecido, ocupado, constantemente ocupado com um desejo ou outro. Antes que um desejo seja realizado, ele criou outros dez. Ele sempre tem novos desejos prontos para que não haja um intervalo, não sobra nunca um intervalo entre dois desejos – porque nesse intervalo você será capaz de ver e reconhecer a estupidez da sua vida, a completa loucura da sua vida. E, uma vez que você tenha visto isso, você não consegue mais continuar fazendo parte disso. Você saltará fora! Você viu que a casa está pegando fogo.

Buda diz: Se você determina seu curso com força ou velocidade, você perde o caminho da lei. Você perde toda a finalidade da existência, por que a vida se mostra em toda a sua beleza e bem-aventurança somente para aqueles que estão vivendo descontraidamente. Não com força, não com velocidade; não impetuosamente, correndo. Ela está disponível para aqueles que estão tranquilos, à vontade com o momento presente; tão relaxados, como se não houvesse nenhum tempo além deste. Este momento é tudo…

Se você for com velocidade, você perderá; se você estiver com muita pressa, você não será capaz de ver. Seus olhos ficam nublados, você continuará tenso. Você não será capaz de ver aquilo que é. A mente tão cheia de desejos, de ambição, de realizações e você não pode ver aquilo que é. Você está sempre ansiando por algo que deveria ser.

De modo geral, o “deveria” ficou mais importante do que o “é”, o “deveria ser” ficou mais importante do que “aquilo que é”. E a existência é aquilo que é, a verdade é aquilo que é.

Despertando: Assim como um pássaro não precisa bater as asas para voar ao pegar uma corrente de ar, entrar no fluxo, estar no caminho da lei, é gozar da existência sem o mínimo de esforço.

E quando Buda diz lei, ele quer dizer: amor. Somente o amor existe, essa é a única lei.

Então para entrar no caminho da lei, para entrar no caminho do amor, você não poderá se utilizar nem da força, nem da pressa.

O caminho da lei é suave, é leve, é tranquilo. Se você fizer a mínima força, então você sairá dele. E o ódio é fazer força, a vingança é fazer força, a inveja é fazer força, qualquer sentimento de baixa vibração, é fazer força. E a lógica é simples: o amor é a frequência mais alta que existe, para criar o ódio, a inveja, o ciúme, você precisa fazer uma grande força para negá-lo, para que exista uma drástica redução da frequência.

O amor é seu estado natural. A jornada espiritual, na verdade, é simplesmente um retorno para o seu estado natural. E seu estado natural é harmonioso, é equilibrado, é um fluxo perfeito… então se você está com pressa, seja pelo motivo que for, você está fora do seu estado natural.

E as pessoas vivem com pressa. Elas acordam com pressa para chegar ao trabalho, elas saem do trabalho com pressa para chegar em casa, elas chegam em casa com pressa para jantar, elas jantam com pressa para dormir…

E tudo isso por que elas acreditam na ideia de que, literalmente, correndo atrás, elas irão chegar lá, elas serão bem-sucedidas na vida. Acontece que o “lá” não existe, ele é uma ilusão. Todo futuro é uma projeção; você não pode ser feliz no futuro, não tem como ser feliz em algo que ainda não existe; você só pode ser feliz agora.

E mesmo que você esteja consciente do mundo espiritual, mesmo que se torne um buscador, que seu “lá” seja a iluminação, a pressa nunca será o caminho. A iluminação não é um lugar a se chegar, ela é um estado a se reconhecer. Todos nós somos iluminados, somente a luz existe, somente o amor existe; o que você precisa fazer, é se tornar consciente disso. E isso não diz respeito ao futuro, diz respeito ao agora.

Então tudo que você precisa fazer é estar presente, é viver no agora. Se você se manter atento, consciente, então perceberá que toda felicidade, toda prosperidade, toda bem-aventurança, já estão disponíveis agora, neste exato momento. A partir daí você não precisa fazer nenhuma força, pois já tem tudo que precisa; você não precisa ter pressa para chegar a nenhum lugar, pois já está no melhor lugar que poderia estar; você não precisa buscar o amor, você É o amor.

Busque conhecimento, emita amor, seja Luz!

 

  • Amanda Aires

    Maravilhoso!