Como meditar

Amados irmãos, o tema já foi abordado no texto Sobre meditar, mas como trata-se de um assunto de extrema importância e de muitas dúvidas, vamos colocá-lo sob a luz novamente para mais esclarecimentos.

E vamos usar como base a definição dada no Despertar do dia: “Meditar não é ficar sentado na posição de lótus entoando mantras, meditar não é ficar focado na respiração e em silêncio. Essas são técnicas que te auxiliam a chegar na meditação. Meditar é observar, é o estado do mais puro não-julgamento. E esse estado pode acontecer no trânsito, no trabalho, a qualquer hora e em qualquer situação. A cada vacilo que a mente der, a consciência tomará as rédeas da situação. E é a partir dessa alquimia que surgem os insights, as curas. É a partir desses momentos de lucidez, que nos recordamos da nossa verdadeira essência”.

Meus queridos, convido todos a fazermos uma meditação na prática. Vamos utilizar o conteúdo do Despertando como ferramenta meditativa.

E para começar, aquela conversa básica de sempre: encontre uma posição que te deixe confortável não a ponto de dormir, dê preferência por manter a coluna ereta, para facilitar o fluxo energético, faça a sua parte enquanto corpo físico, enquanto terceira dimensão.

A técnica que descreverei pode ser utilizada na leitura de qualquer conteúdo. Ela é baseada na definição que foi dada anteriormente.

Vamos começar pelo: “Meditar é observar, é o estado mais puro do não julgamento”.

Querido irmão, se você realmente quer meditar, se você realmente quer se tornar o observador, primeiro, você terá que se livrar de uma maldição chamada opinião.

O que eu quero dizer, amados irmãos, é que se você realmente quer fazer uma leitura meditativa, você terá que se livrar da mente que, antes mesmo do término do primeiro parágrafo, irá iniciar o: “Eu concordo, eu discordo, tá certo, tá errado, faz sentido, não faz sentido, é assim, não é assim” e por aí vai.

Se você realmente quer se tornar um meditador, se livre de toda opinião.

“Meditar é o estado mais puro do não-julgamento”.

Agora me fala, quem é que gosta de concordar ou discordar o tempo todo, quem é que gosta de dizer que está certo ou se está errado a todo momento? Sim, menino ego.

A consciência não julga, não emite pareceres, ela apenas observa.

Entenda a lógica: se você ler um texto e, ao mesmo tempo que estiver lendo, dentro de você a mente começar: “Isso é verdade, isso é mentira, isso faz sentido, isso não faz sentido, etc.”, quer dizer que, dentro de você, existem dois “eu’s” atuando: um que está lendo e outro que está julgando. Acontece que, quando isso acontece, você estará fora da nossa querida e desejada atenção plena. Se você se dispôs a ler um conteúdo, então o leia, literalmente, de corpo e alma.

Esse modelo de leitura proposto pelo ego é simplesmente ilógico. Você nem terminou de ler o conteúdo, você nem está de posse de todas as informações, como pode construir uma opinião? Se um escritor desenvolve um texto de “X” páginas, quer dizer que, na visão dele, são necessárias “X” páginas para que a ideia seja transmitida. Se um escritor escreve um livro de “Y” páginas, quer dizer que, na proposta dele, são necessárias “Y” páginas para passar a mensagem.

O que eu quero dizer é: se o objetivo é realmente emitir uma opinião, é agir através do ego, tudo bem, não tem problema algum. Mas, no mínimo, leia todo o conteúdo. Se não ficarmos atentos as armadilhas do ego, acabamos nos perdendo do bom senso.

Então, queridos irmãos, o que eu quero propor para vocês é uma leitura leve, sem obrigações. Sinta-se tranquilo, sem pressão, você não precisar dar opinião nenhuma sobre nada do que eu lhe disser. Se concentre apenas em ler, faça do desejo de estar focado na leitura, o único pensamento em sua mente.

E meus queridos, não pensem que eu estou dizendo que é para vocês concordarem com tudo que eu disser. Nada disso, até por que, se você concordar comigo, quer dizer que você acha que eu estou certo e, se você acha que eu estou certo, é por que você acredita no certo ou errado. E me fala: quem é que trabalha com essa história de certo ou errado?

E sabe o por que o caminho é a observação? Por que observar é o mais lógico a se fazer.

Compreenda: se você for capaz de manter em sua mente apenas o desejo de ler, se você manter um único pensamento de leitura ativo, você será capaz de permitir que a informação flua através de você, que o texto, literalmente, passe por você. Somente sem os ruídos do ego, somente sem o concordo e discordo a todo momento, é que você se torna realmente capaz de receber a informação que está sendo transmitida de forma íntegra e fidedigna.

E aqui, meus irmãos, no caso do Despertando, é muito fácil vocês saberem se estão fazendo uma leitura egoica ou meditativa. Ao final do texto, se você não se sentir tocado, não se sentir emocionado, você está fazendo uma leitura egoica.

E antes que as mentes mais nervosinhas saiam do estado meditativo e comecem me julgar, entendam: cada letra tem um formato e, cada formato, tem uma frequência própria. Uma palavra é um conjunto de letras, logo, também tem uma frequência própria. Daí para “cima” é só questão de níveis de organização até chegarmos à conclusão que, cada texto, tem a sua própria vibração.

Eles podem ser até parecidos, podem tratar de assuntos similares, podem terem sido escritos por autores que seguem a mesma linha, que pensam mais ou menos da mesma forma, não importa – cada um tem sua frequência própria.

E a escrita nada mais é que a guerreira tentativa de transformar sentimentos em palavras. Digo guerreira, pois, ela está em uma batalha perdida. Os sentimentos não estão na terceira dimensão, já ela, sim. O que estou querendo dizer é que é simplesmente impossível traduzir um sentimento em palavras sem que ocorra uma “perda” de dados.

Mas, mesmo com a perda dos dados, um texto carrega em si a frequência dos pensamentos e sentimentos de quem o escreveu. E no caso do Despertando, meus queridos, eu sei que não adianta usar a palavra “garanto”, mas como não me veio outra: eu garanto a vocês que, todos os sentimentos que eu estava sentindo ao escrever cada texto, eram de amor, de clareza, de cura, de altas vibrações.

São essas frequências “situadas” na quinta dimensão que, através da total capacidade que o meu estado atual de consciência me permite, traduzo em uma forma de falar, em uma estrutura lógica de pensar, em formas as mais reais possíveis para traduzir meus sentimentos.

Então o que eu quero dizer, amados irmãos, é que se você me ler sem ego, se você me ler silenciosamente, se permitir que a informação que está sendo enviada seja recebida sem nenhuma interferência, sem nenhum ruído, você será tomado por um sentimento bom, de alta vibração.

E é a partir desse momento, meus irmãos, a partir do momento que você recebeu toda informação, na íntegra, é que, na minha visão, você está apto a iniciar uma análise autorresponsável.

E queridos, me entendam: eu não estou dizendo que o que eu estou enviando para vocês é o certo, o correto, a verdade absoluta. Não, o que eu estou dizendo é: “Irmão, pegue esse conjunto de sentimentos para você, sinta-os e, a partir daí, inicie o processo que irá culminar nas suas próprias conclusões”.

E por amor, me entendam: eu não estou dizendo para você ficar segurando até o final do texto e, assim que terminar a leitura, despejar todos os achismos do ego de uma única vez. Amados irmãos, se engana aquele que acha que nossa conversa termina no último ponto final. Não irmãos, o último ponto final é só o começo da “brincadeira”.

Assim que você terminar a leitura meditativa, nós entramos na segunda fase do processo, que se trata da observação e análise de dados, também feitos em estado meditativo.

Com a leitura concluída, é hora de se manter atento, olhar para si e observar: “Qual está sendo a minha reação? Eu estou feliz? Me trouxe alegria? Me trouxe tensão? Me trouxe medo? Me trouxe alívio? Me trouxe amor? Me trouxe confiança? Me trouxe raiva? Me trouxe revolta? Quais foram os sentimentos disparados em mim?

E queridos, quando eu digo para se observar, não é só logo depois do termino da leitura. Esse é um trabalho para ser feito durante dias, dependendo da crença que foi ativada, o processamento total das informações pode levar semanas para ocorrer. Por isso, calma, observe, mantenha-se meditando.

E aqui, amados irmãos, a conversa é o seguinte: eu estou te falando que estou te enviando amor, sentimentos de alta vibração e, se está sendo decodificado por você como medo, raiva, revolta, ou qualquer outro sentimento de baixa vibração, de duas uma: ou eu estou conversando fiado com você e na verdade eu estou te enviando medo, raiva, revolta e etc., ou entre o Deus em mim e o Deus em você, existe um ego cheio de certezas e opiniões.

E queridos, eu sei que pedir um voto de confiança para vocês, exatamente enquanto estou falando sobre manter-se na observação, soa de forma até contraditória. Mas entendam: eu não estou pedindo para vocês confiarem em mim no sentido de acreditar em tudo o que eu digo. Não, eu estou pedindo um voto de confiança no sentido de acreditar que eu só quero o seu bem, que eu sou o seu irmão, que te amo e quero ver você crescendo, expandindo a consciência, evoluindo sem parar.

E se você for capaz de me conceder esse voto, se você se permitir me ler de forma meditativa, de forma silenciosa, então você estará permitindo que meu amor flua por você, e isso, promoverá muita cura, muitos nós serão desatados.

Agora irmão, se você já pratica a leitura meditativa, se você já faz regularmente o processamento e análise dos dados meditativos e, mesmo assim, acha que o Despertando te causa algum mal, que quer te enganar, te prejudicar de alguma forma, não tem problema. Isso não quer dizer que eu estou certo e você errado e nem que você está certo e eu errado. Só quer dizer que nós estamos vibrando em frequências diferentes e, automaticamente, você será magneticamente atraído para um outro trabalho, que esteja na mesma frequência que a sua.

Graças ao Todo, a cada dia cresce o número de trabalhos de Luz, de soldados do Todo dispostos a colocar o amor em movimento e, com certeza, você achará um trabalho que ressoe com você. Um trabalho que, quando você o consuma de forma meditativa, o faça vibrar alto, vibrar no amor.

Mas queridos irmãos, vamos lá, todos nós sabemos do eletromagnetismo e, se você chegou até o Despertando, é por que você o vibrou. Lembram que cada texto tem uma frequência? Então, se você chegou até os textos do Despertando, é por que, um dia, você vibrou nas mesmas frequências.

Então se hoje, ao receber a sua colheita vibratória, algo no Despertando te incomodar, se algum gatilho for disparado, meu amado, lembre-se sempre da autorresponsabilidade e olhe para você.

E irmãos, eu sei que eu vou te incomodar, eu sei que vou mexer nas suas feridas, eu estou consciente disso. E é por isso que eu peço a sua compaixão, pois, mexer em você, te colocar frente a frente com cada crença sua, faz parte do meu trampo.

“Eu sou a mosca que caiu na sua sopa”. (Risos amorosos)

Vamos falar um pouco mais sobre isso.

Queridos, houve um momento na minha vida que eu cheguei à conclusão quer não era feliz. Eu tinha feito tudo como mandava o figurino, como se diz lá na minha terra, mas não consegui alcançar a felicidade. E mesmo sem ter a mínima ideia de onde eu a encontraria, eu cheguei à conclusão que, viver o que eu estava vivendo, não dava mais, não fazia sentindo. E foi assim que, depois de um período de preparação financeira, eu resolvi pedir demissão e viver um período sabático, procurando as repostas para as minhas perguntas.

E foi logo de cara que eu tive contato com a seguinte informação: “Para ser feliz, você tem que se autoconhecer, precisa relembrar quem você é”. E confesso que, quando me deparei com essa informação, ela me pareceu fazer sentido.

Eu nunca me identifiquei com nenhuma religião, nenhuma doutrina, nenhum dogma. Essa história que ser feliz é seguir as regras de um Deus punidor nunca colou para cima de mim. Agora a ideia de olhar para dentro, de um Deus interno, me fez levantar as orelhas.

E aí, amados irmãos, o que aconteceu foi que eu me tornei um megalomaníaco do autoconhecimento. (Risos amorosos)

Eu tinha o tempo inteiro livre para mim e, o único desejo que eu tinha, era me conhecer, estudar, de me aprofundar nos mistérios da existência. E aí, meus queridos, na segundona brava que você acordou atrasado, de mal humor por dormir pouco após abusar na hora no domingo, enquanto você estava no trânsito, preocupado com a reunião que já estava para começar, eu tinha acabado de vir de uma deliciosa noite de sono, onde fui dormir no domingo a hora que meu olho fechou, acordei na segunda a hora que ele abriu e estava com gás total para debruçar nos livros, para meditar durante horas, para assistir palestras, documentários, filmes, tudo que poderia provocar expansão da consciência. Meu foco era autoconhecimento 24 horas por dia.

E aí, meus queridos irmãos, é como diz o ditado: “Quem procura acha”. Não tem conversa, a verdade é uma só, e ela, é o amor. Não importa o caminho que você opte por trilhar, não importa o quão extenso ele possa ser, nada disso tem importância. Mais dia ou menos dia, você chegará a mesma conclusão que eu cheguei: “É isso! Eu Sou Deus!”.

E olha quem estava quietinha e apareceu na área: mente amiga!

Fala mente amiga: “Arrogante! Prepotente! Como ousas!? Que raiva de você!”.

Que isso, mente amiga? Não fale assim comigo, eu sou seu irmão, lembra? (Risos amorosos)

Calma mente amiga, sem estresse, venha cá, deixa eu te contar um segredo: você sabia que, na verdade, o “mente amiga” é um pseudônimo meu? Não conta pra ninguém, tá? Mas eu uso o “mente amiga” só para não me passar por mais louco do que já sou considerado, não leve para o pessoal, mente amiga, eu estou apenas tendo uma conversa de doido, tá tudo bem. (Risos amorosos)

O que eu estou te confessando, mente amiga, é que um dia eu já fui você, eu sei bem o que você está sentindo, eu sei o que você está pensando e tenho a mais pura compaixão por você, eu honro o seu estado evolutivo.

Ora, ora, mente amiga, venha cá, me dê um abraço e sente-se silenciosamente ao meu lado, deixa eu te contar uma história:

Quando eu resolvi iniciar meus estudos espiritualistas na linha oriental, no “Deus está dentro”, eu fui eletromagneticamente atraído para meu querido irmão Osho. E logo ao iniciar os estudos da sua obra, me deparei com a informação que seu verdadeiro nome é Rajneesh e, que antes de se tornar Osho, ele tinha se autoproclamado Bhagwan que, quer dizer Deus.

E aí, mente amiga, você precisava ter visto a reação que eu tive. Mas foi na hora que me veio: “Quem esse sujeitinho indiano (carregado de preconceito mesmo) pensa que é? Como pode ter alguém tanta arrogância? Como pode alguém se comparar a Deus? “

E tudo isso vindo daquele lugar de raiva, sabe mente amiga? Aquele lugar de revolta que nós sentimos de vez em quando? Então, veio de lá.

E mente amiga, você sabe como é que é, né? Tem vezes que a gente acaba julgando, acaba apontando o dedo para os outros quando, na verdade, quem estava equivocado o tempo todo erámos nós, né mente amiga? E no caso do meu querido irmão Osho, eu tive que pedir perdão, pois, ele estava certo o tempo todo, e eu, também me lembrei que Sou Deus.

E mente amiga, tem mais, lembrar-se que é Deus traz algumas implicações e, dentre elas, está a de me recordar que você, mente amiga, é tanto Deus quanto eu. A única diferença, mente amiga, é que você está dormindo, e eu, estou acordado.

Eis a causa raíz de toda sua implicância comigo, mente amiga, o fato de eu ficar jogando na sua cara o tempo inteiro que és Deus, o Todo. Pois você, mente amiga, é muito é da sapequinha e insiste em acreditar nas ilusões do ego, insisti em fingir ser um “eu” que, definitivamente, você não é.

Mente amiga, acho que você precisa descansar um pouco, permaneça comigo e meditando.

Amados irmãos, eu chamei nossa querida mente amiga para conversa, mais uma vez, com a intenção de que vocês compreendam que: o que eu quero dizer, é que não tem para onde correr, uma hora você terá que se dar conta que é Deus.

Acontece que minha hora chegou, eu me lembrei que Sou Deus, eu me lembrei que Sou o amor e, consequentemente, me lembrei que todos vocês são Deus. E foi dessa deliciosa recordação que nasceu o Despertando.

E permitam-me dar-lhes mais detalhes.

Quando eu me lembrei que Sou Deus, automaticamente, eu passei a pensar e sentir como Deus. Agora me digam: o que Deus, o Todo, pensa, o que Ele sente e o que Ele quer?

Eu lhes respondo: Ele pensa em amor, Ele sente amor e Ele quer o amor.

Isso corresponde a dizer que Deus quer o bem de todos os seus filhos, que quer ver todos crescendo, sendo felizes, evoluindo, expandindo a consciência.

Adivinhem qual é o único desejo que eu tenho? Sim, que todos vocês cresçam, evoluam, expandam a consciência.

Acontece que Deus, o Todo, sabe o que é melhor para seus filhos. Eu poderia pensar: “Bom, vou usar todo meu conhecimento de Deus para ganhar dinheiro suficiente para acabar com a desigualdade no mundo, no entanto, Deus sabe que o dinheiro acaba com a pobreza material, mas não com a de espírito. Eu poderia pensar: “Com meus conhecimentos de Deus, irei acabar com a fome no planeta”, no entanto, Deus sabe que a fome dos seus filhos é espiritual.

O que eu quero dizer, amados irmãos, é que eu tomei consciência que, não há nada mais importante que eu possa fazer, do que trabalhar em prol da expansão da consciência. Somente quando as pessoas se tornarem conscientes, somente quando se lembrarem que são Deus, é que toda a desigualdade irá acabar. Somente quando voltarem para a casa, é que a fome no mundo desaparecerá.

Somente quando você permitir que Deus, o Todo, se faça através de você, é que será realmente feliz.

O que eu estou tentando transmitir para vocês, amados irmãos, é que quem vos fala no Despertando é Deus, o Todo. É obvio que, para se manifestar na terceira dimensão, para que surja na matéria, é preciso que exista um filho seu, um ego, para que o trabalho possa ser realizado. Mas o que eu quero dizer é que o trabalho é feito através de um ego e não por um ego.

Só que tem um detalhe, meus queridos, um Deus só fala diretamente com outro Deus. O que eu quero dizer, amados irmãos, é que todo amor do Deus em mim, é recebido de braços abertos e com sorriso no rosto pelo Deus que existe em você. O papo é reto. Acontece que, dentro de você, existe um ego que, ao perceber que a Luz está entrando, fica, literalmente, louquinho da cabeça. (Risos amorosos)

Compreenda a lógica: você é Deus, o Todo, sempre foi e sempre será. Essa é a lei inesgotável, como diz meu amigo Buda e, quanto a isso, você não pode fazer nada a não ser um dia se tornar consciente desse fato – é inevitável. Então, para que você entrasse na nóia de que não é Deus, muitas histórias foram lhe contadas, muitas crenças limitantes foram implantadas em você, muita negação ao amor lhe foi vendida.

E essas crenças limitantes, fazem com que você alimente pensamentos negativos repetitivos por milhares de anos. O que eu quero lhe dizer, por exemplo, é que da crença limitante que você está separado de Deus, você criou o falso sentimento de inferioridade, pois se coloca como menor que Deus. E você está repetindo esse pensamento há muito tempo, por muitas encarnações. Acontece que, como todo sentimento tem uma frequência, todo pensamento também tem uma frequência e, ao ficar repetindo essa frequência, ao ficar insistindo em um pensamento não-amor, você cria uma espécie de nódulo energético no seu corpo mental, um acúmulo de antimatéria, somatizações. É um nó energético denso, provocado pela repetição de um pensamento de baixa vibração.

Então, amados irmãos, quando minha Luz chega até vocês, quando a informação “És Deus” chega até o seu campo, ela começa a dissolver o denso nó que foi criado pela crença na inferioridade. E essa dissolução causa uma certa reação que, ao ser interpretada pelo ego, transforma-se em atitudes de baixa vibração, em reações egoicas.

O que eu quero dizer, meus queridos, é que você pode espernear, você pode fazer birra, você pode me ridicularizar, você pode fazer o que quiser. És meu irmão, eu te amo e tenho compaixão por você. Todo não-amor que você possa me enviar, é fruto de um estado momentâneo de esquecimento pelo qual você está passando, eu sei que dentro de você existe um Deus e que, esse Deus, também me ama e também só quer o meu bem. E é por isso que trabalho todos os dias, para que esse Deus desperte em você.

Então entendam, meus queridos, que todo incomodo, todo o desconforto, fazem parte da catarse, do processo, da cura.

“E é a partir desses momentos de lucidez, que nos recordamos da nossa verdadeira essência”.

O estado meditativo, amados irmãos, é a nossa verdadeira essência, pois, a nossa verdadeira essência, é a consciência de sermos Deus. E Deus, o Todo, meus queridos, é o mais puro amor incondicional e, o amor incondicional, não julga, não fala o que é certo e o que é errado, não discorda nem concorda, apenas ama.

Então eu reforço meu pedido: consumam o Despertando de forma meditativa, pratiquem a leitura meditativa. O Despertando não é um trabalho para ser entendido intelectualmente, através da terceira dimensão, ele foi feito para ser sentido. E se você for capaz de recebê-lo de forma silenciosa, se você permitir que ele flua por você, então será capaz de, aí sim, compreendê-lo. É o caminho “inverso”, amados irmãos, primeiro sinta, que a clareza vem de brinde. Você saberá se está meditando quando lhe vier a seguinte sensação: “Nossa, parece que fui eu quem escreveu esse texto”.

E sim, amado irmão, foi você quem escreveu esse texto. Ele é uma resposta eletromagnética do Todo para um conjunto de pensamentos e sentimentos que um dia você teve e, que o Todo, através de um dos seus filhos, do ego Raoni, o transcreveu em palavras e o trouxe até você.

Sua vida seria outra, amado irmão, se você realmente acreditasse no eletromagnetismo.

Então meus queridos, compreendam que eu estou mexendo com as suas crenças mais enraizadas, eu estou pondo, literalmente, o dedo nas suas feridas e, por isso, eu peço que vão além. Mantenham-se silenciosos mesmo após a leitura, concentre toda sua energia em se observar, se analisar, se autoconhecer. Se livre de qualquer opinião, se livre do concordo e discordo, se livre da armadilha do julgamento proposta pelo ego. Entenda que, dentro de você, existe alguém que não está interessado no seu crescimento, na sua expansão.

Em breve irá para o ar um texto sobre o ego, para que as coisas fiquem mais claras.

E meus irmãos, a leitura meditativa é apenas um exemplo, a lógica é a mesma para qualquer situação. Se você decidir meditar em meio a natureza, então seja silencioso e permita que a natureza passe por você. Não comece com: “Nossa, que pássaro bonito! Nossa, que bicho feio! Nossa, como o céu está bonito! Nossa, como está quente! Nossa, que cheiro agradável!”

Nossa, nossa, nossa…

Esse é o famoso soltar: solte a necessidade de dar opinião o tempo todo, de ter que se posicionar o tempo todo, de ter uma resposta para tudo o tempo todo. Abandone toda responsabilidade e entregue tudo nas mãos de Deus, o Todo. Abandone toda ideia do que você acha que são as coisas e apenas exista – sinta a existência. Esteja presente no momento, atento, observando, pois, é do silêncio dos desejos que Deus se faz através de nós. Fique quieto e apenas observe Ele em ação.

Busque conhecimento, emita amor, seja Luz!

  • Pedro Caires

    gratidão <3

  • José Paulo Andreazza de Souza

    Raoni meu irmão, gratidão pelo seu trabalho.
    Se possível quero contar com sua ajuda para um melhor esclarecimento:
    Eu entendo que Deus é puro amor, ele é perfeito e infinito. E quem polariza é o ego, é quem cria o bem e o mau. Mas por sua vez foi Deus que criou o ego, ele precisou desse artificio para poder individualizar-se certo?
    Eu quero entender melhor o porque existe dor e sofrimento. Eu sei que é tudo causa e efeito, que todas as atrocidades cometidas por um ego que manteve em carcere o self, tem retorno através da lei do eletromagnetismo.
    Pois bem, qual é a participação de Deus nisso tudo?
    Ele é infinito, então quando ele criou o ego para individualizar-se ele já sabia de tudo que o ego causaria e toda a dor envolvida. Então ele é conivente com isso?
    As vezes eu penso que pelo fato de Deus ser infinito e desejar expressar-se e experienciar de maneira completa, a dor e sofrimento e todo o mal surge em função disso também, pois uma vez que a dor existe ela faz parte das infinitas possibilidades então faz parte do pensamento criativo infinito do Todo. Mas as vezes eu acho que não é certo pensar dessa forma uma vez que Deus é puro amor como falado no começo desse meu comentário.
    Percebe o exato ponto que me falta clareza?
    Acho que preciso conhecer melhor a origem do ser humano e a dominação que os reptilianos exercem. Eu entendo que Deus é infinitamente justo, então deve existir algo que justifique a permissão por “escravizar” dessa maneira uma raça relativamente nova. Fizemos o que de errado antes de nos tornar seres humanos para merecer um ego tão cruel, e toda a questão do complexo R.
    Entendo que talvez seja complicado você me explicar essas questões por aqui. Sendo assim, você pode me indicar leituras e quem sabe até algum artigo que vc já tenha escrito que eu não li.

    Mais uma vez gratidão meu irmão, desejo cada vez mais luz no seu caminho.
    Você realmente faz a diferença na vida de muitas pessoas.
    Parabéns e obrigado.

  • Lu Freitas

    Gratidão pelo artigo!
    Muito bem escrito e com ótimas dicas!

    Conheça meu site: http://www.comomeditarfacil.com