Sobre sexo

Tirem as crianças da sala, hoje, nós iremos para cama.

E para os apressadinhos, muita calma nessa hora, vamos nos dedicar bastante as preliminares.

Quem acompanha o Despertando sabe que aqui a visão é multidimensional, vai além da matéria e, com o sexo, não será diferente.

Bora lá!

O homem evoluiu bastante nas últimas décadas, principalmente, na frente tecnológica. Nós fomos a lua, fomos a marte, estamos ganhando o espaço. E aqui, em terra firme, a tecnologia também deu grandes saltos. Nunca foi tão fácil ter acesso a informação, nunca tivemos tanta ajuda tecnológica para manifestarmos nossa criatividade.

Mas de tudo que o homem pode desenvolver, de tudo que ele pode criar, nada se compara a capacidade de gerar uma vida, de trazer para Terra um novo ser.

E é da junção da energia sexual feminina com a energia sexual masculina, que a “magia” acontece.

Então, quando falamos de energia sexual, na verdade, estamos falando de energia de criação. Essa é a famosa libido que tanta gente confunde.

Libido não se limita a frente sexual, trata-se da nossa energia vital, da nossa fonte de criação. Uma pessoa com pouca libido é uma pessoa apática, sem criatividade. É preciso compreender que a libido é algo além sexo, é o tesão de viver.

Se utilizarmos nossa capacidade de abstração e pensarmos além da matéria, considerando tudo como energia, o que nada mais é que a realidade, começamos a compreender o quão valiosa é a energia sexual, o quão poderosa é a nossa energia de criação.

Guardem essa informação: energia sexual = energia de criação.

Outro assunto preliminar que, se não devidamente compreendido torna o assunto sexo impossível de ser assimilado, é a questão de quem está por trás do modelo de vida que vivemos na Terra.

O assunto já foi abordado no texto A vida na Terra, e hoje, entrará em cena novamente.

Queridos irmãos, vivemos uma sociedade moldada por seres que não são da Terra, não são humanos terrenos. São seres draco-reptilianos, raças extraterrestres que, através do livre arbítrio, decidiram experienciar a vida afastada do Todo, afastada do amor.

E as energias que esses seres cultuam são as de baixa vibração. São eles quem nos propõe o medo, o ódio, a inveja, o ciúme, a vingança, etc. São eles que, de forma consciente, nos manipulam através do nosso inconsciente.

E entendam: eu insisto nesse assunto não é para que vocês fiquem com medo, o que eu quero é que todos se tornem conscientes e, se tornar consciente, é ter a real noção de como a roda gira na Terra da terceira dimensão.

Eu quero que as mentes que pensam: “Meu Deus! O que está acontecendo com o mundo? Mais de um bilhão de pessoas passando fome, um escândalo de corrupção atrás do outro, estamos à beira de uma guerra mundial. O mundo está ao contrário!”, saibam: o mundo não está ao contrário, ele está exatamente como deveria estar, está exatamente como prega a agenda reptiliana. Ele está sendo direcionado para isso, pensado pela negatividade há milhares de anos, e nós, somos os responsáveis por permitir que tudo isso aconteça.

E antes que as mentes vitimista pensem: “Como o Todo permite algo como isso? Como Deus permite que o mal exista?”, entendam: Deus, o Todo, é puro amor e, no amor, não há limitações, não há imposições – há somente aceitação, compreensão e acolhimento.

O que eu quero dizer é que o Todo respeita o livre arbítrio de cada filho seu. Tanto da raça que decide dominar uma outra irmã, quanto daquela que decide cair no conto do ego e se deixa ser dominada.

E é através das ilusões do ego, da crença limitante na materialidade, na arrogância irracional de nos julgarmos o único planeta com vida inteligente em todo o universo, que nos tornamos os escravos perfeitos. É a nossa ignorância que não nos permite perceber que estamos sendo manipulados, que passamos a vida doando nossa energia vital em troca de teto e comida. Já pararam para pensar o quão ilógico é pagarmos para vivermos em nosso próprio planeta? Meditem sobre isso.

O que vou lhes dizer agora parece contraditório, por isso, peço que prestem bastante atenção.

Esses seres, meus irmãos, são extremamente evoluídos em relação a nós, no entanto, a evolução deles é mental e se reflete na tecnologia. O que quero dizer é que esses seres são extremamente inteligentes, sagazes e com tecnologia de ponta. Eles sabem da existência das dimensões, eles estudaram a mente humana como ninguém, no entanto, utilizam todo esse conhecimento de forma negativa, de forma a satisfazer os desejos de controle e poder propostos pelo ego. Eles são seres de pouca evolução espiritual.

As mentes mais afoitas gritam nesse momento: “Tá, e o que tem a ver os reptilianos com sexo?”.

E é aí que está o pulo do gato. Para sermos manipulados da forma que somos, para que Deuses caíssem no esquecimento que são Deuses, nossa energia de criação, nossa energia sexual, foi extremamente afastada do amor.

Entenda a lógica: se você utilizar sua energia sexual através do sexo unificado com o amor, isso promoverá expansão da consciência e, quanto mais expandida for a consciência do ser, mais difícil será de controlá-lo. Ao mesmo tempo que, se você não desperdiçar sua energia sexual através do sexo material, sem amor, ela será transformada em criatividade e, a criatividade, também promove expansão de consciência.

Agora pensem: se você deseja controlar alguém, se você deseja torná-lo sua marionete, você irá querer que esse alguém utilize sua energia sexual de forma que proporcione crescimento?

O que quero dizer, meus irmãos, é que, assim como a nossa sociedade não é humana, nosso sexo, também não é humano, é draco-reptiliano. E os draco-reptilianos são a imagem e semelhança do ego e, o que o ego quer, é controle, poder, submissão, violência – uma série de sentimentos de baixa vibração.

Agora vamos nos aprofundar um pouco mais nos detalhes.

Tudo se inicia na distorção que temos das energias yin (feminina) e yang (masculina). A força da energia masculina foi transformada em superioridade, em violência, ao mesmo tempo que, a sutileza da energia feminina, foi transformada em submissão.

Vivemos uma sociedade totalmente desequilibrada, predominantemente yang, manifestada através do machismo.

O que irei descrever nesse momento, é a forma-pensamento que sustenta a base do paradigma atual que vivemos. É obvio que, como tudo, está em constante transformação e evolução, no entanto, são os pilares que sustentam a matrix na frente sexual.

Falar sobre sexo é tabu, falar sobre sexo com uma criança, ou perto de uma, algo considerado quase um crime. Dessa forma, as crianças se desenvolvem sem nenhum conhecimento sobre sua energia de criação, ficando à mercê do inconsciente coletivo completamente distorcido.

E o inconsciente coletivo que rola na Terra da terceira dimensão é o seguinte: se você for homem, você tem que ser o mais “garanhão” possível, no bom português, quanto mais mulheres você comer, mais orgulho para a ala masculina da sua família você dará. E me perdoem a expressão de baixo calão, mas tenho um compromisso com a verdade e a informação tem que ser passada sem a visão romântica da vida, ou seja, a verdade nua e crua.

Já se você for mulher, é o contrário, você tem que ser recatada e do lar, quanto menos rodada for, ou seja, quanto menos parceiros sexuais você tiver, melhor. Somente assim você será considerada uma mulher para casar.

Agora vamos analisar taticamente esse cenário.

No caso dos homens, a ideia passada é a do “quanto mais melhor”, do quanto mais mulheres você colecionar, mais homem você é. E adivinha quem se importa com números, com quantidade? Sim, nosso bom e velho amigo ego.

Já no caso das mulheres, as energias que são oferecidas são as da inferioridade, da submissão e do julgamento. E adivinha quem adora se sentir superior, controlar e julgar o tempo todo? Sim, ele, o ego.

O que quero dizer é que o inconsciente coletivo que roda na Terra da terceira dimensão na frente sexual, é completamente baseado no ego, sendo totalmente desatrelado do amor.

E tudo isso só foi possível devido o controle total que os lagartos possuem sobre a gente.

Através da mídia, existe um incentivo consciente e inconsciente ao sexo, observe as propagadas, mulheres com o mínimo de roupa o possível e em situações sugestionáveis. O apelo está presente em todos os lugares. Existe um simbolismo oculto te sugestionando: “Faça sexo!”.

Lembram-se do plano? É preciso fazer com que façamos sexo o máximo possível, que usemos toda nossa energia de criação. E é óbvio que o “Faça sexo!” nada tem a ver com “Faça amor”, aliás, amor, é algo que está bem distante do sexo dos humanos terrenos.

Não basta controlar a quantidade, é preciso controlar também a qualidade. E é aí que entra um dos principais pilares que sustentam o esquema: as religiões.

Além de sustentar a submissão feminina através de uma história mal contada onde a mulher surgiu da costela do homem, contaminou o sexo com a culpa oriunda da crença no pecado.

Se você fizer sexo somente por prazer, és um pecador! Irá se ver com Deus na hora do julgamento.

E é da combinação do incentivo exacerbado com a proibição punitiva, é dessa contradição, que originam todas as doenças psíquicas manifestadas na área sexual.

Vamos analisar algumas histórias para que as coisas fiquem mais claras.

Quando eu estava na faculdade, era normal existir entre os meninos uma disputa para ver quem transava com mais mulheres durante o ano. E no final do ano, na hora do “fechamento”, havia uma retrospectiva passando pelos principais episódios. E dentre os principais, era muito comum haver algum onde existiu uma confissão que técnicas mentais tiveram que serem utilizadas para manter a ereção, que houve um esforço para que o sexo ocorresse e, dessa forma, a pontuação fosse garantida.

Agora observem: a história já parte da disputa e, onde há disputa, há a necessidade de se sentir superior. Me fala quem é que gosta de se sentir superior?

Mas essa não é a melhor parte, é na confissão que o ego mostra sua cara, é ali que ele realmente demonstra a que veio. O ego não está interessado em prazer, o que ele quer é status, se sentir superior, ter mais, quantidade, números.

Não importa se o sexo foi bom, não importa se você teve que pensar em outra pessoa para manter a ereção, não importa se aquela troca promoveu crescimento, o que importa é que, tecnicamente, foi contabilizado como sexo, garantindo o tão famoso três pontos para a equipe.

Compreendem como o ego funciona?

E essas disputas rolam entre as mulheres também que eu tô ligado.

Mais uma história: quando eu era adolescente, iniciando a minha vida sexual, era comum haver entre os meninos a pergunta de quem já tinha tirado a virgindade de alguma menina e, aquele que ainda não tivesse passado por essa experiência, era inferiorizado.

E é só dar uma olhadinha na nossa história para compreender que tirar a virgindade da mulher sempre foi visto como um prêmio, como algo a ser conquistado.

E essa visão absurda e ilógica é produto da também absurda e ilógica submissão criada a partir do desiquilíbrio das energias masculina e feminina.

E foi a partir desse cenário distorcido que as mulheres tomaram posse de um poder igualmente distorcido.

Experimente chegar mais tarde do futebol, ficar muito tempo se responder o whats, anda fora da linha para você ver o que acontece. Resultado? Vai dormir no sofá, sem sexo.

As mulheres se utilizam de um poder que nasceu de uma distorção para punir e exercer controle.

Agora me digam: quem é que adora poder, adora punir e adora controlar? Sim, o ego.

Outra manifestação clara do ego é a violência e, nosso sexo, é pura violência.

E aqui, queridos irmãos, quando eu digo violência, é desde o chicote comendo solto até os tapinhas de amor – tudo é violência.

E eu não duvido que as pessoas sintam prazer através da dor, eu acredito no poder de criação de realidade de cada um. Nós somos tão castigados, passamos por tantos sofrimentos, que aprender a sentir prazer através da dor é, de certa forma, um mecanismo de defesa do ser.

O que eu quero dizer, meus queridos, é que se medirmos, em Hertz, a frequência do prazer proporcionado a partir da dor e a compararmos com a do prazer proporcionado a partir do bem-estar, do carinho, do amor, veremos que a dor é infinitamente inferior ao amor.

E nosso sexo é violento por que nós somos violentos. Observe o comportamento das pessoas no trânsito, observe como nós nos tratamos no dia a dia, nós criamos a violência o tempo todo. E não existe separação entre as energias de criação, ou seja, seu sexo é aquilo que você é.

E a violência está de forma velada no que denominados de “ter pegada”. Geralmente usamos esse termo para descrevermos as pessoas que nos “pegam de jeito”, que sabem como usar o corpo físico.

Agora eu lhes pergunto: o que é ter pegada?

Se ter pegada é saber utilizar o corpo físico, entendo eu que uma pessoa que tem pegada é aquela que domina o corpo físico por inteiro, que sabe que ele é constituído de átomos, se tornando um campo eletromagnético. E que esse campo eletromagnético possui uma malha energética, pontos estratégicos interligados que, se dominados, proporcionam o maior prazer que o corpo físico pode ter.

Acontece que o nosso “ter pegada” vem da questão instintiva do macho e fêmea. Vem do mesmo lugar onde uma boa parte dos homens se utilizam para justificarem a busca desenfreada pelo sexo e, muitas vezes, para justificar uma traição, do instinto animal.

Só que tem um pequeno detalhe, agir a partir de instintos é característica do momento evolutivo animal, onde os seres estão desenvolvendo uma personalidade, desenvolvendo o ego. Então enquanto estão nessa fase, eles agem de acordo com a consciência coletiva, de forma instintiva.

É verdade que um dia nós passamos por essa fase, que passamos pela experiência animal, no entanto, essa fase já passou faz tempo e nós atingimos a autoconsciência. Nós temos o neocórtex que nos diferencia, ou seja, nós somos capazes de olharmos para nós mesmos e percebemos quando estamos agindo a partir do instinto, nós temos essa capacidade de análise.

O que quero dizer é que, agir a partir dos instintos, é sinal de pouca evolução e, nesse contexto, pode ser considerado uma violência que, no caso, é no sentido de violar a autoconsciência que lhe foi concedida.

E é obvio que na questão sexual, agir a partir do instinto animal é uma porta aberta para que a violência reprimida possa se manifestar.

E mentes agitadas, entendam: eu não estou dizendo que sexo com amor é papai e mamãe ao som de música clássica. Na verdade, não importa a posição, não importa se é homem com mulher, homem com homem, mulher com mulher, se é entre duas ou mais pessoas, nada disso importa, isso são só viagens do ego.

O que quero dizer é: quem está movimentando aqueles corpos? É o ego com seu jogo de controle, submissão e violência, ou é a consciência manifestando o amor na terceira dimensão, promovendo a expansão da consciência?

Faça esse exercício, analise da onde vem o seu sexo. Quando te der tesão, vontade de se masturbar, de fazer sexo, observe qual era o sentimento anterior ao do impulso sexual, observe qual é a origem. Você irá se impressionar com o resultado.

Agora vamos analisar o sexo nos dias de hoje.

É notório que a questão do machismo, do desiquilíbrio entre as energias, vem sofrendo uma transformação. Se olharmos para nosso passado, veremos a mulher sendo educada para se tornar dona de casa, submissa ao marido e tratada praticamente como escrava sexual. E não que esse cenário não exista nos dias de hoje, infelizmente, ainda é muito comum, no entanto, as coisas estão mudando.

E é obvio que mudaria, pois, a ideia da mulher ser inferior ao homem em qualquer aspecto é simplesmente ilógica, irracional e demonstração de pouca evolução espiritual.

Nós somos todos iguais, viemos da mesma fonte e temos a mesma potencialidade e, através de uma escolha individual, decidimos experienciar os aspectos masculino e feminino na terceira dimensão, encarnando nos corpos masculino e feminino em busca do equilíbrio entre essas duas energias.

E foi em busca da igualdade que tem como origem a imposição de uma falsa desigualdade que, como diria meu amigo Criolo: “O anzol da direita fez a esquerda virar peixe”.

O que quero dizer é que é simplesmente impossível imaginarmos um cenário onde todas as mulheres sejam donas de casa, e não que eu tenha algo contra as donas de casa, só acho que todas as mulheres possuem um conjunto de dons e talentos para serem manifestados na matéria e, para muitas delas, serem donas de casa não está no script dessa encarnação. Então é obvio que as mulheres entrariam no mercado de trabalho e, dessa forma, conseguissem acabar com as relações submissas mantidas através da dependência financeira.

Assim como também é obvio que as mulheres queiram ocupar todos os cargos de todas as profissões, o que eu concordo totalmente, pois, acredito que, para todas as funções, existam mulheres e homens capazes de exercê-las.

Da mesma forma que a ideia da mulher com um objeto sexual, como algo inferior, também é impossível de ser sustentada, visto o tamanho da discrepância com a realidade.

Criou-se assim um cenário propício para as armadilhas do ego.

Entendam: ao invés das mulheres curarem a inferioridade e submissão através do autoconhecimento e compaixão, elas entraram em um pacto de vingança contra os homens, querendo provar a todo custo uma igualdade que é lhes garantida por natureza.

E é obvio que elas conseguirão atingir a igualdade, são seres tão competentes quanto os homens, no entanto, é aí que está a armadilha.

Os homens estão doentes, com a energia masculina completamente contaminada. E foi a partir dessa distorção que eles se tornaram violentos, criando a ideia ilógica de superioridade.

E é aí que está o problema, as mulheres estão se tornando iguais a esses homens, tão violentas e contaminadas quanto eles.

Acabou a conversa de que mulher é inferior, que é objeto sexual dos homens. Se nós somos objetos sexuais, os homens também serão! É esse o pensamento que existe hoje em dia.

Eis o estado da arte do projeto reptiliano para o nosso sexo, a banalização geral da energia sexual. A indústria do sexo sorri e dinheiro no bolso dos criadores do tinder e afins.

E entendam: eu não estou dizendo que é correto os homens tratarem as mulheres como objeto sexual e elas aceitarem isso. O que estou dizendo é que, tratar o outro como objeto, é tão não amor, é tão violento tanto para os homens quanto para as mulheres.

No desejo de atingir a igualdade, as mulheres caíram na mesma armadilha dos homens.

E as feministas de plantão (não são todas, somente as que se simpatizam com a violência como meio, ok?), ou as mentes que ainda acreditam na violência como saída, podem dizer: “Observe a nossa história, alguns avanços só foram possíveis através da utilização da violência”.

Pois eu lhes digo, queridas mentes, a violência como saída é uma ilusão. Os seres que realmente mudaram a nossa história, que realmente conseguiram conquistas evolutivas, não utilizaram a violência como meio. Aonde está a violência de Buda? Aonde está a violência de Jesus? E a de Ganhdi? De Marter Luther King?

O que quero dizer, queridos irmãos, é que se nos episódios onde a violência foi utilizada como meio de mudança, se a energia utilizada para manifestar a violência tivesse sido canalizada para manifestar o amor, os avanços conquistados seriam muito maiores.

Somente o amor é capaz de, realmente, transformar.

Acontece que nós chegamos no auge da banalização do sexo. Existe um culto sendo feito ao sexo sem amor, ao sexo por sexo. Aliás, associar amor ao sexo, se tornou algo fora de moda nos dias atuais.

É como diz no funk: “Meu pau te ama”.

Essa música é um bom exemplo dos dias de hoje.

Meu coração, meu respeito, meu carinho, minha admiração não estão nem aí para você. Mas meu pau… Ah! Esse te ama!

E a ideia de atrelar o “amor” a um membro do corpo físico só pode acontecer em uma sociedade de visão extremamente materialista.

Entenda a lógica: se você acredita somente na matéria, na terceira dimensão, é natural que toda sua busca por prazer seja através do corpo físico. Assim, o “amor” fica identificado também ao corpo físico. E com essa mentalidade, ficamos presos ao sexo, comida e drogas.

Acontece que nós não somos o corpo físico, nós estamos em um corpo físico. Acontece que não existe somente a terceira dimensão, nós estamos, também, na terceira dimensão.

O que quero dizer é que, mesmo que você não acredite que existam outras dimensões, mesmo que você acredite que é somente seu corpo físico, as demais dimensões continuam existindo, e você, possuindo um corpo nelas.

E está claro a questão das dimensões? Quanto maior a frequência, maior a dimensão. Quanto maior a dimensão, mais amor. Quanto mais amor, mais prazer.

Então compreenda: o prazer alcançado através da matéria, do atrito, da penetração, da terceira dimensão, é infinitamente inferior ao sentido na quinta dimensão.

E a pergunta é: como acessar a quinta dimensão?

Resposta: meditando.

Irmãos queridos, se a resposta para a pergunta “Qual foi o maior prazer que você já sentiu?” for: um orgasmo, me perdoem, mas vocês ainda não conhecem, realmente, a meditação.

Nosso sexo, nosso prazer, está “preso” a matéria e, estar preso a matéria, é estar preso ao ego.

Vamos as análises!

Conseguir sexo hoje em dia é a coisa mais fácil que existe. Basta você ter um smartphone e acesso à internet. Você vai precisar instalar um aplicativo, deslizar o dedo para a esquerda e direita e aguardar o match. Assim que o match for dado, você desenrola aquelas perguntas básicas e já agiliza um encontro.

Para o encontro você tem duas opções, ou vai na linha do restaurante/bar/balada, ou pode trabalhar também com a opção delivery, onde os atrativos de comer e beber alguma coisa e ouvir um bom vinil, resolvem o problema sem mesmo sair de casa.

Feito a escolha, rola o encontro. Conversa vai, conversa vem, a quantidade de álcool no sangue aumenta, a quantidade de roupa no corpo diminui e pronto, missão cumprida.

E para uma parte dos homens e mulheres, ainda existe um outro ponto para que a noite se torne perfeita, que é o de ter sexo e dormir sozinho. Ou seja, se for num motel, é gozar, dar uma relaxada e ir embora. Se for na casa do outro, ainda está no seu controle, é esperar uma oportunidade e partir. Agora se a pessoa estiver na sua casa, aí você terá que usar a criatividade para manda-la embora sem ser deselegante.

Até por que esse negócio de dormir junto, de ficar de romancezinho, tá fora de moda, né?

No outro dia você acorda ressaqueado do álcool e das drogas e, muitas vezes, com uma espécie de ressaca moral, um arrependimento, uma sensação ruim.

E vamos compreender melhor da onde vem essa sensação ruim.

Eu jamais cansarei de dizer: nós temos sete corpos que estão em diferentes dimensões, somente o corpo físico está na terceira dimensão, ou seja, somente o físico nós conseguimos enxergar. Tudo que pensamos fica armazenado em nosso corpo mental, tudo que sentimos, no nosso corpo emocional.

É preciso que todos compreendam que, quando fazemos sexo, é mais do que pernas que são abertas, nós literalmente abrimos nosso campo energético para o outro entrar. Então além do físico no físico, o conteúdo do campo de um, também entra no campo do outro.

O que quer dizer é: se você está estressado e fizer sexo, você estará colocando no campo do outro o seu estresse. Se você estiver com raiva e fizer sexo, você estará colocando no outro a sua raiva.

Agora eu te pergunto: oferecer estresse, oferecer raiva para o outro, é um ato de amor? E mais, quem é que se sente estressado e com raiva? Três letrinhas.

Acontece que são poucas as pessoas que possuem essa consciência. Então quando você acorda no outro dia com uma sensação ruim, sentindo algo estranho, muitas vezes, é por que a pessoa que estava com você a poucas horas atrás deixou esse sentimento em você, e você, sem ter o conhecimento disso, aceitou esse sentimento para si.

Outro exemplo que vale a pena citar.

Eu já ouvi a seguinte frase: “Ai, eu não sei o que me acontece, toda vez que eu bebo me dá um tesão, eu fico tarada”. No caso foi de uma mulher, mas isso acontece com os homens também.

Pois eu lhes digo o que acontece: não é o álcool que te dá todo aquele tesão, é obvio que ele tem a sua influência no corpo físico, mas o principal motivo, é a abertura energética que ele promove no seu campo, dando a oportunidade para que obsessores desencarnados, sejam eles humanos, reptilianos ou qualquer outra raça que goste de se alimentar da energia alheia, “colem” em você, te induzindo a praticar atos libidinosos, te induzindo ao sexo da forma mais suja possível, para que possam se alimentar da sua energia de criação.

Então antes de você se achar o malandro, o moleque transante que come todo mundo, ou antes de você se achar a malandra, a que sai passando o rodo na geral, saiba que você está é servindo de alimento para seres negativos.

Pesado? Não senhor(a), a realidade nua e crua.

Sigamos adiante!

Quando alguém está de mal humor, é normal que digamos: “Fulano ali tá é precisando de sexo”. Ou seja, fica subentendido que sexo é o remédio para o mal humor. E essa visão é reforçada pela ciência, todos os dias saem novas pesquisas dizendo que fazer sexo é bom para isso, que é bom para aquilo, como se fazer sexo fosse a solução para todos os problemas.

E isso é uma completa estupidez. Você não deve fazer sexo para se sentir feliz, você deve se sentir feliz, e então, fazer sexo.

O sexo não é um meio para encontrarmos a felicidade, para encontrarmos o amor. Ele é um meio para manifestarmos a felicidade, para manifestarmos nosso amor.

Agora voltemos para o caso do encontro, vamos analisar mais um pouco.

Quando vai rolar um primeiro encontro, existe uma preocupação comum de ambos os lados, e ela, é a de impressionar.

Então o homem se prepara para aquele momento e, se a gatinha fazer jus, vale até contar com a ajuda de um azulzinho (estimulante sexual), para dar aquele gás a mais.

E as mulheres não ficam para trás, há toda uma preparação. A depilação tem que estar em dia, as unhas cuidadas, o cabelo feito e, aquela lingerie matadora, no jeito, afinal, a primeira impressão é a que fica, né?

As mentes inocentes podem pensar: “Olha que bonitinho, ambos estão preocupados em proporcionar prazer um para o outro”. Só que não, o que ambos querem mesmo é impressionar e, adivinha quem gosta de impressionar? Sim, o ego.

É sabido por todos a diferença que existe de tempo para que homens e mulheres atinjam o orgasmo e, qualquer um que estiver minimamente interessado em proporcionar um orgasmo para uma mulher, vai levar isso em consideração.

Então na hora “H”, a maioria dos homens lutam contra o relógio. E na guerra contra uma possível ejaculação precoce vale tudo, a galera pensa até na vó pelada para segurar o ímpeto. E é por isso que os homens investem tanto nos estimulantes sexuais hoje em dia, se não dá para segurar, pelo menos com eles, você consegue fazer duas, três ou até mais “viagens”.

E mais uma vez as mentes mais inocentes podem pensar: “Olha que gesto bonito, ele está preocupado em oferecer o máximo prazer para a parceira”.

Nananinanão, o que ele está preocupado é com a reputação dele. Se houver uma ejaculação precoce, se ele decepcionar no desempenho, a mulher pode contar para as outras sobre isso e, dessa forma, ele ficará com uma má reputação na praça.

E me digam: quem é que está preocupado com a reputação? Sim, ele mesmo que você pensou.

E entendam: se o homem está realmente preocupado em proporcionar prazer para a parceira, primeiro, ele tem que olhar para o próprio prazer. Se está havendo uma dificuldade para evitar a ejaculação, ou se está havendo qualquer outro problema que atrapalhe o sexo, é preciso que exista um trabalho de autoconhecimento.

Quem em você está com tanto tesão assim que não consegue segurar? Qual é a origem desse descontrole?

O corpo humano é perfeito e sadio, logo, se está havendo um problema para segurar a onda, olhe para o seu emocional.

E o simples fato de se utilizar a mente para não gozar já torna o sexo sem amor. No verdadeiro sexo, a cada toque, a cada movimento, a mente estará focada em transmitir para o outro todo seu amor. Estará ocupada com a fusão dos campos, que é onde está o verdadeiro prazer e crescimento – a expansão da consciência. Sexo, sem que existam pensamentos e sentimentos de amor, é vazio, não tem essência, é puramente mecânico.

Agora fala aí rapaziada, o negócio mesmo é falar um monte de besteiras no ouvido, isso sim é que dá prazer. Esse negócio de amorzinho aí é coisa de menininha. Aqui, o sistema é bruto, rústico e sistemático.

Compreendem no que se transforma o: “Para de chorar moleque, isso é coisa de menina!”, o: “Para de bixice menino, toma prumo de homem!”, o: “Você é um homem ou uma moça?”.

O homem é supervisionado por toda ala masculina da família, obviamente que em maior intensidade pelo pai e, a qualquer mínima demonstração de feminilidade, alguma ação terá de ser tomada, afinal, imagina ter um filho gay? Que decepção para toda a ancestralidade masculina da família.

Percebem o quanto estamos enraizados no machismo, na ignorância?

Tenham compaixão conosco, amadas irmãs, nosso fardo também não é leve.

Então sexo para os homens é sinônimo de poder, de controle, de status. A ideia do quanto mais melhor, do quanto mais, mais homem, nos é vendida desde a barriga da mãe.

A vida ideal na visão masculina é ser rico, famoso e ter a mulher que desejar a hora que desejar.

Quem nunca sonhou em ter uma vida de Neymar? Chamar os parças para um rolê de iate com três mulheres para cada um, bebida e comida a vontade, tudo do bom e do melhor. Da hora ou não?

Ou sair, com o mesmo iate, navegando por aí só você e a Bruna Marquezine. Te parece interessante?

Alias, vamos aproveitar a deixa para dar mais um exemplo do universo masculino.

Quando chega em uma roda masculina uma notícia do tipo: “Marquezine e Neymar assumem namoro”, é uma questão de tempo até que alguém solte um: “Rapaz, Neymar tá comendo bem hein”. E na verdade, não precisa nem ser entre dois famosos, basta que a figura feminina da história seja considerada bonita e gostosa no consenso da rodinha, que esse tipo de comentário irá com certeza aparecer.

Imagina se alguém da roda mandasse um: “Interessante, Neymar e Marquezine se vibraram, com certeza um tem muito para contribuir no crescimento do outro. Muita Luz para o casal, que eles possam, através do amor, crescerem e evoluírem”.

De duas uma: ou ao término do raciocínio não teria mais ninguém prestando atenção, ou alguém falaria algo do tipo: “Vixe… Olhas as conversas do cara… Que fase! Ô Zé, traz mais uma gelada que os papos aqui estão bravos”. Ao mesmo tempo, um outro comentaria no fundo: “Hum… boiola!”.

É meus queridos, o abismo da ignorância ainda é bem profundo.

Agora chega de falar dos meninos, vamos falar um pouco das meninas.

E no universo feminino a história não é tão diferente, há a mesma necessidade de impressionar, de performar, de dar show, afinal, ninguém quer ficar com a fama de ruim de cama, não é?

Só que no caso das mulheres tem uma diferença, no jogo de impressionar, elas possuem a “vantagem” de poderem fingir o orgasmo, prática essa que é extremamente comum.

E mais uma vez as mentes mais inocentes podem pensar: “Que gesto bonito, ela está fazendo isso para não magoar o parceiro, ou então, ela está fazendo isso por que não quer somente sexo, ela quer um relacionamento mais sério, e precisa fazer isso para que os encontros continuem e possa evoluir para um namoro”.

Pois saiba, mente amiga, que quem realmente quer o bem do outro, quem realmente quer fazer amor, quem realmente quer algo mais sério, não trabalha com as energias do fingimento, da mentira. Quem quer o amor trabalha com a verdade, com a honestidade.

Quem finge, quem mente, é o ego e não o amor.

E a questão aqui não é nem o fingimento, a questão é: porque não se está conseguindo atingir o orgasmo?

Será que é só uma questão de preliminares, de tempo de duração, ou tem alguma relação com a histórica distorção da energia feminina? Será que essa diferença toda de tempo para atingir um orgasmo é totalmente normal, ou tem um pezinho nos milhares de anos do império de uma cultura machista, onde a mulher não é digna de sentir prazer?

Pensem a respeito.

Assim como o corpo masculino é perfeito, o feminino também é, ou seja, se está ocorrendo um problema para se atingir o orgasmo, olhe para os seus pensamentos e sentimentos, as respostas estão aí.

E é obvio que existirão pensamentos e sentimentos distorcidos, são milhares e milhares de anos sendo maltratadas, inferiorizadas, subjugadas, reprimidas, abusadas e todos os tipos de energia de baixa vibração que se possa imaginar. Fizemos de Deusas, lixos, pedaços de carne que tratamos semelhante à como tratamos nossos irmãos animais, sem nenhum respeito, sem nenhum carinho, sem nenhuma consideração.

Então eu vos pergunto: como não existir um carma coletivo em relação ao feminino?

E saibam minhas queridas irmãs, estamos juntas.

Eu optei por experienciar o masculino nessa vida, pois, era a forma que me traria o maior crescimento nessa minha passagem. No entanto, eu já passei pela experiência de ser mulher por muitas e muitas vidas e me lembro muito bem do que é estar na sua pele.

E é por isso que eu rezo todos os dias pelo despertar da humanidade, para que todos acordem do sono profundo e iniciem seus processos de cura do feminino.

Agora vamos voltar para as análises, ou vocês estão cansados? Uai, uai, não são vocês que vivem reclamando que não tem ninguém para conversar? Agora me “escutem”! (Risos amorosos)

Nós já falamos um pouco do sexo no aspecto dos homens, já falamos um pouco no aspecto das mulheres, agora, vamos falar do sexo nos relacionamentos.

Continuando nossa história, suponha que tenha dado tudo certo no primeiro encontro do casal, que eles fizeram sexo, sem amor obviamente, mas que foi suficientemente bom para que ambos os lados tenham considerado que deu química.

Depois de mais alguns encontros, eles decidiram namorar.

Ah, e começo de namoro é uma alegria. Você contará por algum tempo com o fator novidade.

Tem sexo na sua casa, sexo na casa do outro, sexo na casa dos seus parentes, sexo na casa dos parentes do outro. Tem o primeiro inverno juntos embaixo do edredom, tem o primeiro verão juntos na praia. Tem uma série de novidades.

Existe um período para que um conheça o outro, as preferencias, a frequência, aquela fase inicial que muitos consideram como a melhor época do relacionamento.

E é obvio que será considerada a melhor época, pois, está banhada a novidade.

Passado um certo tempo, que é especifico para cada casal, as coisas começam a cair no dia a dia, na rotina e, a partir daí, a grama do vizinho começa a ficar mais verde.

Falaremos agora de outro dos principais pilares que sustentam a manipulação reptiliana da nossa energia sexual. Trata-se da farsa chamada monogamia.

E antes que eu seja apedrejado em praça pública, vos peço humildemente, “ouçam” as minhas considerações.

Entendam, amados irmãos: só existe um único Deus, e Ele, é o Todo. E o Todo é o mais puro amor incondicional e, onde há amor INCONDICIONAL, não há regras, não há imposições, não há dogmas, não há julgamentos, não há qualquer tipo de limitação. Onde há amor, há respeito, há compreensão, há aceitação, há acolhimento.

Então se existe um Deus que diz que o certo é se relacionar apenas mulher com homem, um Deus que diz que uma pessoa só pode se relacionar afetivo-sexualmente com apenas uma pessoa de cada vez, um Deus que impõe a monogamia, saiba, esse Deus é uma farsa. Não é um Deus com “D” maiúsculo, é um deus com “d” minúsculo, um deus criado pelo homem.

Quem gosta de dizer o que é certo e o que é errado é o ego, Deus, simplesmente ama.

E antes que meus queridos irmãos religiosos, estudantes da Bíblia, encham os comentários com supostas passagens onde Jesus Cristo, meu amado e querido irmão pelo qual eu tenho uma profunda gratidão e admiração, aparece pregando a favor de relacionamentos envolvendo somente mulher com homem ou defendendo a monogamia, de duas uma: ou está havendo uma má interpretação das palavras do mestre, o que é uma verdade em 99,99% dos casos das interpretações, ou trata-se de mais uma das incontáveis manipulações que a Bíblia sofreu e que não é novidade nenhuma para ninguém.

E adivinha quem são os responsáveis pelas adulterações nas palavras do mestre? Sim, os reptilianos.

O que quero dizer é que Jesus Cristo, o avatar do amor, nunca falaria em nome de um Deus que faz imposições, de um Deus que cria regras para depois nos punir.

Todas as regras para se casar, se divorciar, se relacionar, se comportar, se vestir, etc., são crias do ego. É a mão do homem e não de Deus.

E é por isso que eu tanto peço para que vocês utilizem a capacidade de abstração. É preciso expandir a consciência para enxergar que tudo faz parte de um plano maior. A monogamia é só uma jogada estratégica, ela é a fonte de uma energia muito apreciada pelos negativos que é a culpa.

E amados irmãos religiosos, não fiquem zangados comigo e muito menos tentem iniciar discussões religiosas por que, aqui, não entram essas energias.

Ao invés de desperdiçarmos nosso tempo e energia em discussões onde ambos os lados não irão mudar de opinião, vamos fazer assim: eu respeito sua opinião, você respeita a minha e damos tempo ao tempo. Com a ascensão da mãe Terra, quando estivermos na quinta dimensão, teremos a oportunidade de trocarmos ideia pessoalmente com Jesus, e aí, vocês terão a oportunidade de perguntar diretamente para ele o que, realmente, foi transmitido por ele no evangelho e quais são as suas verdadeiras interpretações. Somente assim saberemos a verdade, concordam?

Só que existe um pequeno detalhe, para estar na Terra depois da ascensão, para ter esse contato “físico” com ele, você precisará acreditar que Jesus nunca esteve morto, que ele é o amor e que nunca defendeu ideias de um deus punidor. Somente com essa limpeza de crenças é que a ascensão será possível.

Parece meio que uma sinuca de bico, não? (Risos amorosos)

E meus irmãos, na verdade, nada te impede de falar com Jesus nesse exato momento, basta você entrar em estado meditativo e iniciar uma conversa e, pode ter certeza, você não ficará sem resposta. Aliás, se Jesus tivesse uma página no face, no campo de mensagens, estaria uma frase do seguinte tipo: “Geralmente responde as mensagens em milionésimos de segundos”. (Risos amorosos)

Mas vamos nos aprofundar um pouco mais na questão da monogamia.

Ela tem como origem a posse, o “meu”. É meu, só meu e de mais ninguém. Ego, ego e ego.

Vamos a uma simples análise que demonstra o quão a monogamia é uma proposta ilógica de ser implementada.

Nós somos almas extraterrestres vivendo uma experiência como espíritos humanos há milhares de anos (só essa informação já é o suficiente para deixar muita gente de cabelos em pé). E durante essas experiências, durante nossas encarnações, vamos nos relacionando afetivo-sexualmente com diversas pessoas. Seja quando estamos encarnados como homem ou como mulher, não importa, nós nos envolvemos com alguém em praticamente todas as nossas encarnações.

Acontece que não é nada incomum que, em uma determinada encarnação, você “trombe” duas ou mais pessoas que já se relacionou em vidas passadas, que você possui afinidade energética, pessoas que você já teve uma história juntos.

E aí, como é que faz?

A sociedade pode falar que é errado, o papa pode considerar imoral, mas você está sentindo tudo aquilo, você se sente bem ao lado das duas pessoas, é como se você as conhecesse há muito tempo. E aí, José?

E só um detalhe, e se se aproximar alguém que você já se relacionou em uma vida passada, e que nessa encarnação, veio do mesmo sexo que você, como faz?

É aí que surge o: “Meus Deus, estou achando que sou gay, o que está acontecendo comigo? Estou ficando louco? Eu sou um monstro? Estou doente?”.

E eu lhes respondo amados irmãos: não, você não está ficando louco, você não é um monstro e você não está doente. Você apenas está aprendendo com o Todo que o amor vai muito além da matéria, vai muito além da terceira dimensão, muito além do corpo físico.

Mas a homossexualidade é tema para uma abordagem a parte, senão fica muita informação de uma vez só, podendo dar pane no processador de vocês já “abusados” pela transição planetária. (Risos amorosos)

Mas vamos além, esquece o que eu falei da questão das reencarnações, apaga essa informação.

Eu quero ter uma conversa direta com a sua mente.

E mente amiga, diga para mim, qual é o problema de uma pessoa se relacionar afetivo-sexualmente com uma ou mais pessoas ao mesmo tempo, sendo elas do mesmo sexo ou não?

Resposta: “Deus disse que é errado, é pecado”.

Ok, então vamos fazer uma suposição, um exercício mental. Caso esse Deus que fala o que é certo e o que é errado não existisse, caso ele fosse uma invenção, quais seriam seus argumentos para sustentar a monogamia? E mente amiga, por favor entenda, é somente uma suposição, não precisa ficar nervosa, tá? Eu apenas estou tentando compreender qual é o raciocínio lógico que sustenta as suas crenças, não me leve a mal.

Resposta: cri, cri, cri…

Queridos irmãos, vocês realmente já pararam para pensar qual é a lógica que está por trás das coisas? Em quais conceitos estão fundamentadas as principais crenças que seguimos?

E mente amiga, me compreenda: eu não estou dizendo que o certo é todo mundo é de todo mundo, ninguém é ninguém e vamos que vamos. Não, essa é a realidade de hoje, é a realidade que foi criada e mantida inclusive por você, mente amiga, que continua obedecendo as ordens ilógicas do ego.

O que eu estou querendo te dizer, é que nós somos seres livres, podemos passar pelas experiências que quisermos, podemos nos relacionar com a quantidade de pessoas que quisermos e quando quisermos. Essa é a realidade.

Acontece, mente amiga, que a mesma realidade que não te permite cair nas falsas regras dogmáticas impostas pelo ego, é a mesma realidade que te torna consciente de que, quando nos relacionamos afetivo-sexualmente com uma pessoa, estamos abrindo nosso campo para ela entrar com sua Luz e sua sombra, e isso, não é nenhuma brincadeira.

O que eu quero dizer, mente amiga, é que se você se tornar consciente, irá compreender que, assim como a imposição da monogamia é um absurdo, fazer sexo sem a compreensão de que você não é somente seu corpo físico, fazer sexo sem o conhecimento das dimensões, não é algo, energeticamente falando, inteligente de se fazer.

E a partir dessa consciência, mente amiga, acredito que o número de parceiros sexuais das pessoas diminuiriam, pois, com mais consciência, elas se tornariam mais seletivas em relação as energias que trariam para dentro dos seus campos e não viveriam uma realidade onde, quem ama, é o pau.

E querida mente amiga, não fique magoada comigo, eu não estou querendo acabar com seu sonho de encontrar seu príncipe/princesa encantado(a) e assim viverem um para o outro até que a morte os separe.

Eu acredito totalmente que um casal possa viver a monogamia e, inclusive, esse casal pode até ser constituído de um homem e uma mulher, não tem problema nenhum nisso. Desde que a monogamia seja uma opção consciente do casal, oriunda de uma atitude desperta e não por imposições de dogmas religiosos, não pelo medo da não aceitação, do que a família, os amigos, a sociedade vão falar – não para cumprir os desejos do ego.

E por isso eu lhes afirmo, mentes amigas, a imposição da monogamia é uma farsa sustentada pela fidelidade que, na verdade, trata-se de outra farsa.

Sinto mentes amigas gritarem nesse momento: “Isso é mentira!!! Eu conheço vários casais que estão juntos a mais de 50 anos e sempre foram fiéis e felizes!”.

É mesmo, mente amiga? Que bonitinho…

Agora, chega aqui, me fala uma coisa: o que é ser fiel para você?

Bom, aqui temos uma questão para horas de discussão, pois, temos desde os que consideram um olhar para o outro na rua como traição, até aqueles que só se sentirão traídos se pegarem o outro na cama, aí vai do ego de cada um. Mas para que possamos avançar em nossa análise, vamos definir que fidelidade é não se envolver afetivo-sexualmente com ninguém além do seu parceiro. E isso incluir não manter contatos físicos com outras pessoas, nem contatos digitais. Parece razoável?

Então ok, vamos lá!

Mente amiga, eu acho que já te falei num passado não tão distante que nos temos sete corpos, que somente o corpo físico, o nosso meio de locomoção, está na terceira dimensão. Que o que nós pensamos fica registrado no nosso corpo mental e, o que nós sentimos, no nosso corpo emocional, certo?

Pois bem, mente amiga, será que se uma pessoa estiver ao seu lado, fisicamente falando, mas pensando em outra pessoa, desejando outra pessoa, não poderíamos classificar isso como uma traição com os outros corpos? O que poderíamos denominar de traição espiritual?

Ou é somente a matéria que importa mesmo e o que os olhos não veem o coração não sente?

Pois eu lhe pergunto, mente amiga: será que o coração não sente mesmo?

Será que a pessoa não está recebendo e aceitando, inconscientemente, a energia de descontentamento do parceiro que está fisicamente com você, mas pensando e desejando outra pessoa?

Será que a pessoa não está recebendo e aceitando, inconscientemente, a energia de angústia que o parceiro está lhe oferecendo pelo fato de estar fisicamente com uma pessoa, enquanto pensa e deseja outra?

O buraco é mais embaixo, mente amiga, a matéria é apenas uma ilusão.

E mente amiga, em relação a esses casais que estão a mais de 50 anos juntos sendo fiéis e felizes, vamos chamar eles para trocarem uma ideia com a gente.

E meu senhor, põe na roda aqui pra gente, aí dentro não existe nenhum desejo reprimido, nenhuma vontade cerceada pelo certo ou errado da sociedade? Seja sincero.

E a senhora, querida vovó, eu nunca duvidaria da sua fidelidade na terceira dimensão, até por que todas as vovós são fiéis e amam seus maridos. Mas conta pra gente, nesses 50 anos, nunca rolou aquela fantasia com o galã da novela que acabou virando até sonho erótico? Em nenhum momento houve o pensamento de ter uma relação com outra pessoa? Fale a verdade.

As mentes amigas defensoras da moral e dos bons costumes dizem: “Isso é normal na vida de qualquer casal, é uma fase que um dia passa”.

Pois eu lhes digo, mentes amigas: é normal sim. Tão normal quanto o fogo queimando o pavio que irá detonar uma bomba. E a fase passa, ela passa exatamente no momento que você aprende a conviver com a proibição, que aprende conviver com a infelicidade.

O que eu quero dizer, mente amiga, é que será que esses casais que estão juntos a muito tempo realmente são felizes em suas vidas sexuais? Será que eles estão com suas energias de criação em harmonia? Ou será que eles aprenderam a conviver com o desejo reprimido, com as limitações impostas pelo ego, com o medo do que os outros irão pensar? Ou será que eles venderam suas felicidades em troca do rotulo de casal a ser seguido pela sociedade?

E compreenda, mente amiga, eu não estou dizendo que é impossível que existam casais de longa data que são fiéis e felizes em todas as dimensões da realidade, eu tenho certeza que isso pode ocorrer. Mas, para ocorrer, tem que ser o fruto de um estado de consciência interna, da vitória do espírito sobre a matéria e não pelo jogo ditatorial imposto pelo regime do medo comandado pelo ego.

Despertem meus irmãos, utilizem os olhos que veem, enxerguem o jogo!

O ego cria a sensação de posse, a sensação de posse cria a monogamia, a monogamia cria a fidelidade, a fidelidade cria a traição e, a traição, cria a culpa.

Outro caminho: o ego cria a sensação de posse, a sensação de posse cria a monogamia, a monogamia cria a proibição e, a proibição, cria todas as fantasias eróticas que existem e, de quebra, a pornografia.

Vamos analisar mais um pouco!

E vamos começar pela culpa.

Eu tenho um amigo que, durante um período da vida, esteve programado com um dispositivo físico anti-traição. E esse dispositivo funcionava da seguinte maneira: toda vez que ele traísse, um alarme era disparado através do corpo físico. Se no outro dia ele acordasse vomitando, batata, na noite anterior havia rolado um adultério.

E eu lhes pergunto: da onde vem esse vômito?

E eu lhes respondo: vem da culpa, do remorso.

E da onde vem a culpa, o remorso?

Vem da sensação de estar errado.

E da onde vem a sensação de estar errado?

Vem da oposição do que é considerado certo, o que a sociedade, a cultura de massa, considera que é o certo.

E da onde vem o que a sociedade considera como certo?

Vem do que o deus com “d” minúsculo considera como certo.

E não deem risada da história do meu amigo, pois, todos nós estamos cheios de culpa.

Você fracassa em um relacionamento, então se culpa. Você não é promovido no trabalho, então se culpa. Você se sente um pecador, então se culpa.

Na verdade, enquanto você não voltar para casa, enquanto você não se lembrar que és Deus, o Todo, um sentimento de culpa estará lhe acompanhando o tempo todo. As vezes de uma forma gritante, perceptível aos seus olhos, já em outras, em silêncio, no seu inconsciente.

Agora eu lhes pergunto: sentir culpa é bom, é gostoso, traz felicidade, alegria, prosperidade, ou sentir culpa traz sofrimento, dor, angústia, medo?

E pergunto mais: será que Deus quer realmente que nos sintamos culpados, ou será que existe a mão de seres negativos interessados na energia de baixa vibração que é a culpa?

Saibam: para existir a culpa, é preciso que muita energia seja desprendida para a sua criação, já que ela é uma energia de baixa vibração, densa. E é exatamente dessas energias de baixa vibração que os seres negativos adoram se alimentar.

Será que existe um Deus que realmente quer nos punir, ou será que existe um ego brincando de ser deus?

Agora, vamos falar das fantasias sexuais.

De novo: só existe uma única consciência, um único Deus, e Ele, é o Todo. E o Todo é puro amor e, o amor, é onipotente, onisciente e onipresente. O que quero dizer é que dentro de cada átomo, de cada dimensão, de todos os universos possíveis e imagináveis, residem a mesma onipotência, a mesma onisciência e a mesma onipresença.

Nós também somos feitos de átomos, ou seja, a onipotência também está em nós, nós somos feitos dela, logo, podemos tudo.

Acontece que, quando através da imposição de dogmas religiosos a informação “você não pode se relacionar com mais de uma pessoa ao mesmo tempo” chega até o seu campo, existe um repulso magnético automaticamente e inconscientemente.

E esse fato ocorre devido a energia do “não pode”, da proibição, não encontrar ressonância com sua essência, pois, sua alma tem plena consciência da sua onipotência, ela sabe muito bem que és o Todo.

Agora, se o repulso magnético, a reação a negação, fosse interpretada pela consciência, o pensamento que viria seria: “Eu Sou Deus, o Todo, e qualquer proibição que imponham a mim é falsa”.

Mas não, quem está interpretando há milhares de anos é o ego e, o ego, pensa assim: “Ah, eu não posso me relacionar com mais de uma pessoa ao mesmo tempo? Pois vocês vão ver, eu vou me relacionar com 10 ao mesmo tempo, ninguém manda em mim!”.

O que eu quero dizer, amados irmãos, é que por trás de todas as fantasias eróticas, está a reposta do ego para uma negação, para uma proibição que, lógico, também foi criada pelo ego.

Observe como as fantasias estão relacionadas ao “errado”, ao proibido, ao perigoso, aquilo que ninguém nunca fez. Todas têm como origem um desejo reprimido.

Ou não é verdade que o proibido é mais gostoso?

E foi para dar vazão a toda repressão, a toda negação, que surgiu um outro importante pilar do jogo reptiliano, a tão famosa pornografia.

É nela que as pessoas criam, mentalmente, as histórias sexuais que não estão conseguindo realizar na vida “real”. É nela que está o resultado de toda proibição, de todo desejo reprimido que, a partir da interpretação do ego, ganha tons de violência, de submissão, de perversão, dando cores ao sexo considerado sujo e que é o mais pedido no mercado.

Muitas mulheres recorrem a pornografia para aprenderem “como é que faz”, pois, todas sabem, consciente ou inconscientemente, que o que todo homem deseja é uma mulher santa durante o dia e safada à noite, entre quatro paredes.

É essa informação que está no inconsciente coletivo.

Então a pornografia se tornou a escola de como fazer sexo sujo, sexo sem amor, sexo comercial – o bailar mecânico de corpos vazios, ausentes de conteúdo, ausentes de consciência.

Mas a principal utilização da pornografia é sem dúvida a masturbação. É no momento de solidão, aquele momento mais íntimo, que as pessoas dão vazão aos seus desejos mais reprimidos, as suas perversões que ninguém pode saber.

E a combinação masturbação mais pornografia, é uma fonte energética preciosa para os lagartos.

Entenda: quando você se masturba assistindo um daqueles seus videozinhos preferidos no Xvideos (site de conteúdo pornográfico, não finja que não conhece), além de estar sustentando as energias que estão presentes na pornografia, além de estar servindo como alimento para os negativos, você estará deixando de utilizar sua energia sexual, sua energia de criação, para fazer amor com outra pessoa promovendo assim o crescimento, a expansão da consciência.

Ou seja, os lagartos conseguiram unir o útil ao agradável com a pornografia.

E meus queridos, me compreendam: eu não tenho nada contra a masturbação. Aliás, se for para fazer sexo com a intenção de amenizar sua raiva, o seu estresse, por amor, poupe o campo do outro das suas sombras e se masturbe, ok?

Tem alguém cansado aí? Bora prosear mais um pouquinho?

Irmãos amados, eu gostaria de vos falar agora sobre a grande vilã de qualquer relacionamento: a traição.

Vamos compreender o que está por de trás dela.

E a traição tem algumas origens. Pode vir da reação do ego a imposição dos dogmas, do “proibido é mais gostoso” que nós já falamos. Pode vir da sensação de normalidade que o assunto tem no universo masculino, que tem como justificativa o instinto animal, e que nós também já falamos. Pode vir de uma série de desdobramentos do ego. No entanto, eu gostaria de colocar foco no que, na minha visão, é a principal causa das traições, trata-se da estagnação evolutiva que a humanidade terrena se encontra.

Vamos nos aprofundar um pouco mais nos detalhes.

Mais uma vez: só existe uma única consciência, um único Deus, e Ele, é o Todo. E o Todo é puro amor e, o amor, é crescimento, prosperidade, evolução.

Isso corresponde a dizer que, tudo que existe, está crescendo, está prosperando, está evoluindo.

Observe a natureza, as plantas estão crescendo, estão evoluindo. Os animais estão crescendo, estão evoluindo. Nós estamos crescendo (mesmo que lentamente), estamos evoluindo. O universo está em constante expansão, está evoluindo.

O que quero dizer é que, crescer, evoluir a cada segundo, a cada minuto, a cada hora, a cada dia, é o estado natural de todo ser, pois, é o estado natural do Todo. A teoria do caos garante que exista esse crescimento, que exista a evolução; ela não permite que nada nem ninguém fique estagnado e, caso a zona de conforto seja a opção escolhida, o sofrimento será garantido até que a situação tome outro rumo.

Acontece que nós vivemos em uma matrix reptiliana que, para se manter em pé, precisa que as fontes que sustentam as engrenagens do sistema, que no caso somos nós, permaneçam estagnadas em suas evoluções, pois, somente dessa forma o jogo pode continuar rodando.

O que quero dizer é que as pessoas não estão no fluxo natural do universo, no fluxo do crescimento, pelo contrário, elas estão estagnadas em rotinas maçantes, onde toda sua energia vai para o trabalho, as obrigações de casa, as obrigações com os filhos, obrigações conjugais, obrigações com as contas. Obrigações, obrigações e mais obrigações.

As pessoas não possuem tempo para ficarem em silêncio, para estudarem, para meditarem, para se conectarem com o fluxo, e então, crescerem, expandirem a consciência.

Então o panorama global hoje em dia é: bilhares de pessoas com suas evoluções estagnadas, crescendo quase nada perto de suas potencialidades, servindo como combustível para um sistema desumano, baseado nas insanidades do ego.

E entendam: uma pessoa que está estagnada, que não está evoluindo, ela está com um problema de criação e, se está com um problema de criação, está, consequentemente e obviamente, com um problema sexual. É tudo energia de criação, não existe separação.

Eis o maior responsável pela infidelidade que existe: a zona de conforto.

E o raciocínio é simples: se a pessoa não está crescendo, evoluindo, o sexo dela também não estará crescendo, não estará evoluindo, logo, é uma questão de tempo até que ele se torne enjoativo.

Compreendem o motivo do começo do relacionamento ser a melhor fase?

No começo, existe o fator novidade e, todo mundo gosta da novidade. E o gostar é completamente natural, a novidade é parte intrínseca do crescimento. Todos os dias deveríamos ter pensamentos novos, sentimentos novos, nos tornarmos pessoas novas, com a consciência mais expandida, mais complexa.

Então, no começo, fazer sexo no carro é novidade, fazer sexo na praia é novidade, fazer sexo no quarto dos Resorts luxuosos é novidade.

Só que existe um pequeno detalhe, a novidade, nesse caso, é oriunda da matéria, da terceira dimensão.

O que quero dizer é que a novidade tem como origem um novo cenário, uma nova situação e não o fato de ambas as pessoas terem crescido, se tornando novidade uma para a outra.

Então não adianta investir em novos cenários vislumbrantes, em novas lingeries, em novos brinquedinhos, se as essências que estão naqueles corpos em um novo cenário forem as mesmas, se a consciência que habita o corpo que utilizara a nova lingerie estiver estagnada, se o espirito que está na matéria e usará os brinquedinhos não estiver crescendo.

Sem evolução espiritual, é uma questão de tempo para que o sexo caia na rotina.

E como a sociedade terrena está presa na crença enraizada da materialidade, como ainda não se deu conta que a terceira dimensão é apenas uma das infinitas dimensões espirituais, que tudo é espiritual, mais dia ou menos dia, o sexo se tornará monótono e, a traição, uma grande probabilidade.

E procurar em outra pessoa a novidade que não está ocorrendo em você, é pura ilusão.

Você pode engatar um namoro atrás do outro, você pode se relacionar com uma pessoa diferente a cada dia, você pode se relacionar com várias pessoas ao mesmo tempo – nada disso importa. Enquanto você não se autoconhecer, enquanto não evoluir, todos esses relacionamentos lhe trarão um prazer barato, de terceira dimensão e que, não contente em ser apenas de pouca intensidade, é também de pouca duração e, essa pouca duração, é pouca até pro que é considerado pouco na visão limitada que temos do tempo na terceira dimensão.

E sabe o porquê de tudo isso?

Por que o que você estará doando para esses relacionamentos será um prazer barato, de terceira dimensão. Nós só podemos oferecer ao próximo aquilo que temos dentro de nós e, se você está se oferecendo um prazer barato, de terceira dimensão, quer dizer que você está sendo uma pessoa barata, de terceira dimensão.

E lembre-se: na verdade, és Deus, o Todo. Só que você encanou na viagem de dizer que é alguém barato, de terceira dimensão.

Sua vida mudaria completamente se você realmente acreditasse no eletromagnetismo, na justiça divina, na justiça do Todo.

Não adianta ficar pulando de galho em galho, nós atraímos aquilo que emanamos e, todos os relacionamentos que você tiver, dos que duraram anos até os de poucas horas, a pessoa envolvida é um espelho seu e te mostrará em HD toda sua Luz e toda sua sombra.

Então se você quer um relacionamento Luz, um companheiro, uma companheira Luz, primeiro, você tem que ser Luz.

Amados irmãos, se vocês realmente querem se verem livres da traição, entrem no fluxo da existência. Tornem-se a cada dia pessoas melhores, mais amorosas, mais evoluídas. E se você se permitir fluir com o rio, se você se permitir entrar no tom, então você será alvo de uma explosão amorosa, de picos de consciência jamais experimentados. A partir dessa alquimia, qualquer pessoa que você se relacionar, qualquer pessoa que se aproximar de você, irá se apaixonar, pois, para ela, você será uma novidade todos os dias – e uma novidade gostosa, boa, amorosa.

Então se você quer se livrar de uma vez por todas da maldição dos cifres, torne-se um Buda, cresça todos os dias, seja uma novidade, seja uma metamorfose ambulante do amor.

Acontece, amados irmãos, que quando um ser atinge esse estado de consciência, ele não está mais preocupado em ser traído, ele não acredita mais na traição, ele compreendeu que, quem se sente traído, é o ego e não ele.

Meus queridos, eu juro que estava para começar a levar nossa conversa para o final, mas recebi um pedido tão gostoso, que iremos estender esse encontro por mais alguns minutos, ok?

E me permitam explicar o pedido.

Eu sempre falo que temos sete corpos, que estão em diferentes dimensões, que somente o corpo físico está na terceira dimensão e que para acessarmos as demais dimensões, é preciso meditar, certo?

Pois bem, acontece que eu não falo isso da boca para fora, eu vivo isso no meu dia a dia. Para vocês terem uma ideia, a minha rotina, o meu trabalho, é ficar em silencio o dia todo, meditando e convertendo a meditação em conteúdo.

Acontece que, assim como eu não sou somente meu corpo físico e estou também em outras dimensões, o Despertando também não é somente um blog, uma página no face, um perfil no insta e um canal no youtube, ele, também está em outra dimensões.

O que quero dizer é que, assim como existe uma equipe aqui na terceira dimensão, encarnados, que me ajudam a manter o Despertando no ar, que ajudam me nutrindo de amor, de informações, lá, do “outro lado”, também existe uma equipe me amparando, olhando por mim e pelo Despertando, nos fornecendo muito amor.

Da mesma forma que, assim como aqui na terceira dimensão eu tenho vocês, amados irmãos de Luz, que também fazem parte da minha equipe espiritual, que através do amor do Despertando, estão nos retroalimentando com toda sua gratidão, toda sua cura, do outro lado, também existem irmãos que também nos alimentam com sua mais pura gratidão, com o mais puro amor.

E mentes que estão se debatendo nesse momento, eu lhes pergunto: para onde você acha que vai quando morrer?

E eu lhes respondo: assim que você fizer a passagem, assim que você atravessar o portal, você irá “acordar” exatamente na região do espaço/luz, exatamente na dimensão que ressoa com a sua vibração. Se você quer dar a esse lugar o nome de céu, inferno, paraíso, umbral, colônias no astral, não importa, são apenas nomes.

Mas o que eu quero que você se atente, mente amiga, é que além de acordar exatamente no lugar que atraiu, você irá acordar sendo exatamente a mesma pessoa, com os mesmos traumas, as mesmas crenças, os mesmos medos.

E sejamos honestos, fazer a passagem te traz a oportunidade de “ver com os olhos”, mais uma vez, que existem outras dimensões, que existe algo além da matéria.

Mas entenda: a morte não é capaz de acabar com a sua ignorância, com o seu ego. Ela apenas te mostrará que um dos pilares que sustentam sua ignorância, a materialidade, realmente é uma farsa. Mas a morte por si só, não é capaz de fazer você se lembrar que é Deus, o Todo.

O que estou tentando lhe fazer compreender, amado irmão, é que do outro lado, na outra dimensão, existem bilhares de pessoas que, assim como os encarnados, estão trilhando suas caminhadas espirituais rumo a iluminação. E foi exatamente de lá, dá outra dimensão, que o pedido que eu lhes falei anteriormente veio, exatamente de uma querida irmã que está do outro lado, também bebendo do amor do Despertando.

Ou vocês acham que o Despertando não está ficando pop também no astral? (Risos amorosos)

E foi exatamente no momento que eu estava concluindo o raciocínio da traição, que me veio o pensamento: “Nossa, acho que esse texto já está bem grandinho, os irmãos que ainda estão presos a vida com pouco tempo para o autoconhecimento irão “sofrer” para conseguirem um espaço para a leitura completa. Os principais tópicos já foram abordados, os principais pilares já foram, minimamente, analisados, acho que vou iniciar as considerações finais”.

Acontece que antes mesmo de eu pensar o: “Acho que vou iniciar as considerações finais” me veio um: “Não!”.

E sabe aquele não que vem da espontaneidade, que vem de um lugar de que não deu para segurar? Então, foi esse tipo de “Não!”.

Eu mais que rapidamente mentalizei: “Uai, porque não?”.

Depois de alguns instantes de silêncio, me veio: “Tens tantos pensamentos lindos a serem transmitidos, tens tanto a colaborar na cura do feminino. Eu, amado irmão, estou com um grupo de irmãs aqui, nos deliciando com os seus pensamentos e sentimentos, nos curando com seu amor. Sabemos do adiantado da hora, da necessidade de descanso do seu aparelho físico, mas está sendo uma experiência tão boa, que eu gostaria de gentilmente te pedir para que escreva mais, para que nossas irmãs encarnadas possam também se beneficiar com tanta cura”.

E diante de tanto amor, amados irmãos, eu só poderia fazer duas coisas: primeiro, conter as lágrimas de emoção, e segundo, dedos firmes na caneta e adiante!

E gostaria de lhes explicar dois pontos do pedido.

Para começar, vamos entender o que quer dizer a frase: “… nos deliciando com seus pensamentos e sentimentos”.

Existe uma vantagem de se estar do lado de lá, de estar desencarnado, e ela, é a de você não estar “preso” a matéria.

Entenda: enquanto que para me comunicar com vocês, para que eu possa surgir como átomos organizados na forma de palavras na tela de vossos celulares, eu tenho que entrar em estado meditativo, “pegar” as informações que estão nas dimensões superiores e traduzi-las em palavras, para quem está do lado de lá, o caminho é mais curto.

O que quero dizer é que, para eu passar a informação para uma pessoa que está na outra dimensão, basta que ela se aproxime do meu campo e “leia” meus pensamentos e sentimentos.

Lembram? Nosso pensamentos e sentimentos não estão na terceira dimensão, somente nosso corpo físico está. Então, se a pessoa estiver na mesma dimensão que meus pensamentos e sentimentos, a boa e velha telepatia resolve o caso. A escrita, a fala, são instrumentos de comunicação da terceira dimensão, sendo dispensáveis nas superiores.

E por trás do “Não!” da querida irmã, está o fato de que, ao achar que o texto já estava extenso demais, ao optar partir para as considerações finais, eu estaria deixando de contemplar, na matéria, alguns pensamentos e sentimentos que tive enquanto estava meditando esse texto e que foram captados pelas irmãs que estavam conectadas no meu campo no momento. Ao perceber que isso ocorreria, ela não se conteve em intervir, e eu, agradeço-a de coração.

E antes que as mentes mais assustadas pensem: “Véi, eu achava que eu estava ficando louco, mas esse fera aí ganhou largado de mim”, saibam que: mesmo na matéria, nós lemos o pensamento um do outro o tempo todo, só não nos demos conta disso ainda.

Aliás, esse contato extradimensional acontece entre nós a todo momento. Toda vez que alguém entra em contato com o Despertando, e isso pode ocorrer através de uma simples leitura de um “Despertar do dia”, é criado entre nós um fio energético. E quanto mais a pessoa consumir o conteúdo, quanto mais ela entrar na energia, mais grosso esse fio vai ficando.

E é através desse fio, dessa conexão, que nós podemos enviar energias uns para os outros, e eu, fico enviando amor para vocês o tempo todo. Então se em algum momento, do nada, você se sentir amado, saiba, pode ter sido eu.

Ao mesmo tempo, eu sou bombardeado por toda gratidão, por todo amor, por toda cura de vocês.

E é também através dessa conexão, que eu aproveito para captar os pensamentos e sentimentos de vocês e, a partir dessa análise de dados, preparo, com amor, cada postagem diária que vai para o ar.

Observem os comentários, reparem na quantidade de: “Sobre o que conversávamos ontem”, de: “Gratidão pela resposta”, de: “Eu precisava ler isso”.

Sim, amados irmãos, tudo é feito sob encomenda com muito amor para vocês.

E eu não estou fazendo nada demais, apenas estou utilizando dos meus conhecimentos, da minha capacidade, para cumprir minha missão, que é a de colaborar no despertar da humanidade e que cumpro com um, literalmente inenarrável, prazer.

E num futuro próximo, criaremos um espaço físico para nos encontrarmos, para entrarmos um no campo do outro, olho no olho, coração com coração, para que, juntos, possamos nos soltar das amarras da terceira dimensão, e assim, ascensionarmos rumo a quinta dimensão, rumo ao amor incondicional.

E antes de atender o pedido, eu gostaria de explicar o segundo ponto, que diz respeito ao que eu quis dizer com a expressão: “me veio”.

Todos nós somos seres mediúnicos, todos nós temos, em estado latente, todas as habilidades extra-sensoriais.

Acontece que cada ser opta por vir para mais uma encarnação com uma, ou mais, habilidades afloradas, que fazem parte da melhor combinação para que ele evolua o máximo possível naquela encarnação.

E no meu caso, eu pedi para vir somente com a intuição. E o pedido se dá pelo fato de eu ter passado vidas e mais vidas experimentando a desconfiança e, para trabalhar a confiança, nada melhor do que, literalmente, chamar a intuição no peito.

Entenda o raciocínio: se você for um clarividente, quer dizer que você enxerga mais que uma pessoa considerada normal. E aquilo a mais que você vê, irá ser interpretado pelo cérebro dando origem a um sentimento. No caso dos clariaudientes, o raciocínio é o mesmo, mas ao invés de verem, eles escutam mais.

Agora observe que, em ambos os casos, a informação precisa passar por um processamento cerebral até que vire um sentimento.

Já no caso dos puramente intuitivos, eles não veem e nem ouvem nada além, eles apenas sentem. E aí, meu amigo, não tem conversa, ou você põe fé ou não põe. Não tem essa história de ver para crer.

Então, amados irmãos, quando eu utilizei a expressão “me veio”, eu estou querendo dizer que eu senti a presença da minha querida irmã, eu senti o “Não!”, eu senti a mensagem. Eu não estava vendo nem ouvindo nada, apenas sentindo.

Mentes gritarão: “Eu sabia! Então você pode estar mentindo, você pode estar inventando tudo isso!”.

E eu lhes respondo: sim, eu posso estar inventando. Mas no caso, o inventar, seria eu ficar racionalizando: “Será que é isso mesmo? Será que existem essas pessoas acompanhando meu trabalho do outro lado de verdade? Será que não é coisa da minha mente? Será que eu não estou ficando louco? Será, será, será…

Agora me digam: quem é que adora racionalizar, quem é que adora duvidar, quem é que adora questionar? Sim, o titio ego.

E é exatamente dessas racionalizações, dessas dúvidas, desses questionamentos, que eu me cansei – já deu. Então hoje, se eu senti, eu senti e ponto final.

O que eu estou fazendo nesse exato momento, meus irmãos, é um trabalho de traduzir, em palavras, os pensamentos e sentimentos amorosos que passam por mim. Por isso a categoria do blog chama-se: “Meditação em palavras”.

Amados, já que iríamos estender nossa conversa devido ao nobre pedido feito, aproveitei parar compartilhar com vocês como se dá o meu processo mediúnico. Apesar de não estar diretamente relacionado com o tema do texto, sabendo do momento que estamos passando, com o crescimento diário da nossa mediunidade, resolvi abrir um espaço para o assunto.

Considerações feitas, vamos, finalmente, atender o pedido.

O que irei descrever agora, amados irmãos, é a meditação que tive sobre alguns aspectos do universo feminino, que foram captados pelas irmãs que estão na outra dimensão e que originou o pedido para que eu transcrevesse.

Então convido todos a fazermos uma análise do que está por trás do tão famoso: “Transar ou não transar” no primeiro encontro.

E se iniciarmos a análise dando um Ctrl + F (comando de pesquisa) no inconsciente coletivo, encontraremos a seguinte informação: “Se transou, é vagabunda, não é mulher para casar; se não transou, ponto positivo, vamos adiante para ver o que vira”.

E eu lhes pergunto: dá onde vem um absurdo desses?

E lhes respondo: lá, dá enraizada crença machista de que a mulher não é digna de sentir prazer. Mulher tem que transa só por prazer é vagabunda, é pecadora, é promíscua. Somente os homens podem fazer isso, as mulheres, só podem transar com amor, com sentimento, com envolvimento.

E da onde vem esse pensamento também machista e absurdo?

Reposta: da também ilógica e absurda ideia de que as mulheres são seres inferiores aos homens.

Compreendam, amados irmãos, a partir do momento que se implanta na cultura de massa a ridícula, cosmicamente falando, teoria de que a mulher surgiu a partir da costela do homem, são dois palitos para falarem que elas são seres inferiores a eles. Se a mulher surgiu a partir do homem, só pode ela ser um ser inferior a ele.

Vocês estão compreendendo o por que eu tanto peço para que vocês olhem para suas crenças, para que observem da onde elas se originaram, se foi você mesmo que chegou a essa conclusão ou se pegou uma ideia pronta do inconsciente coletivo?

Voltando ao caso do “transar ou não transar” no primeiro encontro, senti mentes que disseram: “Isso aí está fora de moda, hoje as mulheres não se preocupam mais com isso”.

E eu lhes pergunto: será que não se preocupam mesmo?

Eu acredito que não até que uma outra mulher, inimiga declarada, solte um: “Sua vagabunda! Eu sei que você deu para o fulano de tal no primeiro encontro”.

Diga mente: “Se isso acontecer, eu simplesmente irei ignorar, não entrarei em nenhuma discussão. Sou um ser superior, mais evoluído e darei o meu silêncio como resposta”.

Muito bem, querida mente, gostei da sua resposta. Mas, me diga uma coisa, esse silêncio aí que você citou, ele é um silêncio também dos seus pensamentos e sentimentos, ou é um silêncio puramente físico? Será que por trás de um corpo físico parado e uma boca fechada, não existe um pensamento do tipo: “Vagabunda é você! Eu sei que você deu para o ciclano enquanto namorava o beltrano. Quem você pensa que é para falar de mim!? Sua vadia!”.

Será que, instantes após o insulto, dentro de você vira um pensamento do tipo: “Amada irmã, eu te compreendo, te aceito e te perdoo, pois, não sabes o que fala. Ainda estas presa as falsas ilusões do ego, a falsa sensação de inferioridade. E, ao acreditar na inferioridade, você se sente inferior e, ao se sentir inferior, você quer fazer com que eu também me sinta inferior. Nessa armadilha não caio mais, por isso, te envio todo meu amor, toda minha compaixão, para que você possa também se curar das ilusões”.

Será que é algo do tipo que virá a cabeça? Rezo para que sim.

E nesse assunto, amadas irmãs, você pode ser desde aquelas que já deixam avisado que não rolará sexo no primeiro encontro, até aquelas que afirmam que não estão nem aí para isso, não importa, todos os comportamentos possuem o ego como origem.

Vamos as análises!

Supondo que você seja daquelas que assumem que isso importa, então sua noite de primeiro encontro poderá acabar das seguintes formas:

1 – Você indo dormir se sentindo culpada por não ter conseguido resistir ao bom vinho, a meia luz e o bom e velho vinil, caindo na tentação já no primeiro encontro.

2 – Você indo dormir com a calcinha molhada, porém feliz e orgulhosa por ter resistido ao pecado do sexo no primeiro encontro.

3 – Você indo dormir de calcinha molhada e se sentindo arrependida, pois, o fato de não ter rolado sexo no primeiro encontro, pode fazer com que um segundo nem ocorra e, o gatinho, valia a pena.

Já se você for daquelas que dizem que não se importam com isso, sua noite poderá terminar das seguintes formas:

1 – Você indo dormir feliz e contente por ter tido uma boa noite de sexo e com uma culpa que ficará rodando no seu inconsciente até que alguém dispare o gatilho.

2 – Você indo dormir feliz e contente por ter feito amor, consciente, sem limitações e sem culpas. E aqui, amada irmã, me perdoe, mas se você, realmente, atingiu esse estado de consciência, você não estaria aqui, lendo esse texto nesse exato momento. (Risos amorosos)

E observem, amadas irmãs, que, tirando o último caso, do sexo com amor, em todos os outros, ou você irá terminar a noite se sentindo culpada, ou com desejos reprimidos, ou culpada e com desejos reprimidos.

Agora me digam: quem é que gosta de culpar e reprimir? Sim, Mr. ego.

Vamos avançar para outro ponto do pedido.

Repare que ali atrás eu utilizei a expressão: “Fulana deu para o ciclano”. Vocês já pararam para pensar da onde veio essa deselegante expressão utilizada para descrever quando uma mulher faz sexo com outra pessoa, o porquê de utilizarmos o verbo dar?

Então, isso vem do mesmo lugar do: “Vai dormir no sofá”.

Compreendam: lembram que eu disse que a virgindade da mulher sempre foi vista como um prêmio, como algo a ser conquistado? Pois é, a parti dessa visão distorcida, nasceu a também distorcida sensação de poder por parte das mulheres, pois, não somente a virgindade da mulher é cobiçada, mas o próprio sexo da mulher é cobiçado. Então já que elas possuem algo que, supostamente, todos querem, assim como elas podem punir quem não andar na linha com a falta de sexo, elas podem escolher para quem irão dar o seu “troféu”.

E é tão cobiçado, mas tão cobiçado, que se você não encontrar alguém que o dê, você terá que pagar para ter.

E é através dessa armadilha, desse empoderamento distorcido, que as mulheres usam e abusam da energia de criação e, a forma que elas fazem isso, é através da sensualidade, do jogo de sedução.

Quem nunca deu aquela caprichada no decote para ir pedir nota para o professor? Quem nunca fez aquela carinha especial para conseguir aquele “sim” do chefe? Quem nunca usou o charme para conseguir um drink na balada?

Agora me digam: quem é que gosta de poder, quem é que gosta de punir, quem é que gosta de controlar, quem é que gosta de manipular, quem é que gosta de seduzir?

Compreendem o quanto todos nós, homens e mulheres, estamos presos ao ego?

E para finalizar o pedido, vamos falar sobre um assunto que é do universo masculino, mas que entrou no pedido por ser um bom exemplo da atuação do ego. Vamos falar do tão famoso e desejado sexo anal.

Vocês já pararam para pensar da onde vem essa tara masculina?

O desejo pelo sexo anal tem três principais motivos.

Primeiro: na vida sexual de um homem, ele irá disputar com os demais pelos seguintes números: quem desvirginou mais mulheres, quem transou com mais mulheres e quem fez sexo anal com mais mulheres. Então, na cabeça de muitos homens, o desejo pelo sexo anal vem do mesmo lugar do desejo pela virgindade, do exclusivo, da conquista, dos números.

Segundo: da questão do diferente, que nada mais é que a questão da novidade, lembram? Sem novidade não tem graça.

Terceiro: deixei esse por último não por ser menos importante, e sim, por carecer de maiores explicações. Por trás de uma assustadora parte, consciente e inconsciente, do desejo masculino pelo sexo anal, está o fato de querer provocar dor no outro.

Mentes masculinas gritaram: “Mentira! Isso não! Eu nunca iria querer provocar dor em uma parceira minha!”.

E eu acredito em você, amado amigo, mas peço que faça o seguinte exercício: quando estiver assistindo o seu pornozinho, exatamente na hora que você decidir arrastar o cursor para aquele momento que você sabe que estará rolando um anal, olhe para os seus pensamentos e sentimentos, observe quais são os elementos da cena que estão sustentando o seu tesão. Você poderá se surpreender com o resultado.

E a lógica por trás é a seguinte: o que o ego gosta é de poder e controle, e isso, não é novidade para ninguém, certo?

No entanto, assim que ele conseguir o controle total sobre o outro, ele não irá parar por aí, pois, o ego nunca se dá por satisfeito de poder e controle. E é exatamente quando isso acontece, quando ele já consumiu todo o prazer proporcionado pelo controle, que ele começa a maltratar o outro, pois, maltratar, provocar dor, provocar sofrimento, é uma demonstração clara de poder.

Observe as pessoas de extremo poder, veja como elas gostam de humilhar, como elas gostam de assistir o sofrimento do outro.

E digo mais: sabe o porquê do ego ter que maltratar o outro para se sentir poderoso?

Por que ele não é capaz de atingir esse estado por si só, então, ele precisa diminuir alguém para que o poder se faça nele, ele precisa que alguém sofra para que nele surja uma falsa sensação de prazer.

E amados irmãos, me entendam: eu não quero dizer que vocês fazem isso de forma consciente, eu não estou dizendo que, quando você vai praticar sexo anal, você vai com o pensamento: “Eu irei machucar, eu quero provocar dor, eu quero provocar sofrimento”. Não que isso não exista, infelizmente, é comum, mas não, o que eu estou querendo dizer é que existem ações em você, impulsos que não estão sob a jurisdição da sua consciência e, dessa forma, você acaba agindo conforme o inconsciente coletivo.

E mentes mais nervosinhas, não viagem achando que eu tenho algo contra o sexo anal. Eu não sou contra a nada, pelo contrário, eu sou a favor de que todo ser humano tenha plena consciência do seu corpo e, através do amor, tire o máximo de prazer dele.

Irmãos, com essa análise finalizamos o pedido da nossa querida irmã.

E nós poderíamos ficar dando exemplos e fazendo análises por horas e horas, o assunto sexo, como se diz na minha terra, dá pano pra manga.

Eu considero o trauma sexual o maior de todos da coletividade humana.

Freud “ganhou a fita” quando sacou que tudo se trata de um problema sexual.

Nós tivemos nossa energia de criação manipulada pelos reptilianos e, como não existe separação, como energia de criação e sexo são a mesma “pessoa”, é obvio que todos os problemas que temos, terão sua contrapartida na frente sexual.

E meus queridos, eu friso tanto a questão da manipulação reptiliana não para nos colocar na situação de vítimas, de coitadinhos. Vocês são testemunhas do tanto que eu falo sobre a autorresponsabilidade. Se estamos sendo manipulados há milhares de anos, é por que estamos nos deixando manipular há milhares de anos.

O objetivo desse texto, amados irmãos, é apresentar da forma mais sucinta possível os pilares que sustentam a matrix que vivemos, os pilares que sustentam o sexo reptiliano que praticamos.

E é por isso que eu lhes peço: olhem para dentro de vocês. Descubram quais são as origens do seu sexo.

E o caminho para descoberta, é a meditação. Quando você medita, quando você se coloca como observador, você é capaz de, além de se desassociar do “eu” ilusório, você é também capaz de analisá-lo. E quando isso acontece, você chegara a conclusão de que, quem está por trás das suas ações, a lógica que está determinando o seu comportamento, tem como origem o ego.

Mas, para que isso aconteça, para que esse estado de consciência possa ser atingido, primeiro, ao se ver de frente com um trauma, com uma sombra, você não pode julgá-la. E julgá-la quer dizer se envolver com ela, quer dizer ficar triste, ficar com raiva, ficar com medo, não importa, qualquer sentimento diferente da mais pura observação, será o ego no comando. Por isso, meditar é não julgar.

Agora eu lhes pergunto: como atingir um estado meditativo, como atingir o não-julgamento, se você acredita em um deus que julga, um deus que pune?

Se até mesmo seu deus, que é o todo poderoso, o criador dos céus e da Terra, a maior representação do amor que existe, se até mesmo ele julga, como é que você vai conseguir não julgar?

Compreendem o paradoxo?

Como disse Osho: “Deus está morto”.

E eu vou além, Deus não está morto, pois, para morrer, primeiro, ele precisaria existir, só que ele, na verdade, é uma invenção reptiliana.

Esse deus que julga, esse deus que pune, esse deus que limita, esse deus vingativo, é uma invenção que nós compramos, é um sistema de crenças baseado no ego.

Deus, o Todo, é amor.

Amados irmãos, estamos passando por uma grande transição planetária, a frequência da Terra está subindo a cada dia, em breve estaremos ancorados na quarta e quinta dimensões.

E o sexo na quarta e quinta dimensões é um sexo livre de violência, de submissão, de controle, de todos os aspectos ilusórios sugeridos pelo ego.

E eu sei que as mentes de muitos de vocês pensam: “Nossa, sexo com amor, sexo para promover expansão de consciência? Que coisa chata, sem graça”.

Pois saibam que, chato e sem graça, é esse sexo reptiliano praticado na Terra, um sexo cheio de culpa, de medo, de submissão, de violência.

O sexo na quarta dimensão será fruto da união de dois seres que estão em estado meditativo e que irão manifestar, na “matéria”, o amor. É para isso que o sexo serve, ele é uma ferramenta para manifestar o amor, para promover crescimento.

Você só irá experimentar o sexo de verdade, sentir o verdadeiro tesão, quando a sua energia de criação estiver livre dos redutores de frequência criados pelo ego.

E é por isso que eu reforço o pedido: olhem para os vossos sexos.

E olhem sem medo, sem raiva, sem culpa, sem nenhum julgamento. Olhem como meditadores que são.

E tenha paciência, a transformação leva um tempo para acontecer. Você não irá dormir fazendo sexo e acordar fazendo amor – é verdade que isso pode acontecer, mas é muito pouco provável. Mas você pode ir dormir fazendo sexo e acordar querendo fazer amor e, somente isso, provocará uma grande transformação em você.

E meus queridos, eu comecei o texto com o famoso jargão: “Tirem as crianças da sala” por uma mera forma de expressão. Na verdade, eu gostaria de pedir a todos os papais e mamães, que falem sobre a energia de criação com as nossas crianças.

E mentes programadas, não me entendam errado. Eu não estou dizendo para vocês falarem de sexo com as crianças, não estou dizendo para vocês as erotizarem como acontece nos dias atuais. Eu estou pedindo para vocês não atrapalharem elas com mentiras do ego. Elas já sabem de tudo.

Observe as crianças, elas não enxergam o mundo com os olhos do pecado, do medo, dos dogmas. Elas não estão nem aí para isso. Elas ficam peladas umas na frente das outras sem nenhum tipo de constrangimento, de erotismo, de culpa. Não tirem a pureza delas com os julgamentos do ego.

Mas para que isso aconteça, primeiro, você precisa limpar de você todas as ilusões, todas as programações mentais que sofreu.

E não perca tempo, comece seu autoconhecimento sexual agora!

Queridos irmãos homossexuais, espero que vocês não tenham se sentido desmerecidos pelo fato de que, em todos os exemplos, eu ter utilizado os casais sendo constituídos por um homem e uma mulher. Saiba que isso é meramente uma questão didática. Observem os casais homossexuais, todos eles possuem um que está vivenciando a figura masculina e o outro que está vivenciando a figura feminina.  Nós somos energia, nosso corpo físico é somente o meio de locomoção exigido para estar encarnado na matéria. Sintam-se amados e contemplados nesse trabalho.

E trabalhadores de Luz queridos, saibam que eu não possuo a pretensão de dizer que o que descrevi aqui é a verdade absoluta. Não se ofenda se eu, em algum momento, generalizei o comportamento como se fosse de todas as pessoas. Eu acredito que você possa não se enquadrar no que foi descrito.

Esse texto, é fruto do meu processo de autoconhecimento aliado as informações que estão no inconsciente coletivo e que podem ser acessadas através da meditação.

E acima de tudo, esse texto faz parte da minha cura.

E gostaria de aproveitar a oportunidade para pedir perdão para todas as minhas ex-companheiras, dessa e de vidas anteriores que, através da minha ignorância, foram vítimas do meu machismo, da minha posse, do meu ciúme. Eu me perdoo, me curo e ofereço minha cura a todas vocês.

Eu honro meu feminino, eu honro a mulher em mim!

E honrarei e serei eternamente grato a você, mãe Maria, que esteve segurando minha mão em todos os momentos enquanto escrevia esse texto, me cobrindo com seu manto, afastando de mim aqueles que não querem ver a verdade vindo à tona.

Vitória da Luz!

Amados irmãos, faz mais de um ano e meio que eu não faço sexo e lhes garanto: nunca tive tanto prazer em toda minha vida. E não que eu tenha optado pelo celibato, ou que eu negue os prazeres da carne, pelo contrário, eu honro tudo que a terceira dimensão pode me proporcionar. Acontece que eu fiz uma escolha consciente, eu optei por utilizar minha energia de criação somente para manifestar o amor e, para que chegue na matéria, para que se torne sexo, somente com o encontro entre duas Centelhas Divinas.

E é da minha energia de criação, é do meu tesão, que surge cada conteúdo que eu preparo com muito amor para cada um de vocês. E é através da sua gratidão, da sua cura, do seu amor, que eu sou alimentado por um prazer simplesmente indescritível.  E é um prazer tão grande, mas tão grande, que o único desejo que eu consigo ter, é que todos vocês também possam senti-lo.

E eu trabalharei dia após dia, enquanto for da vontade do Todo, para que isso ocorra, para que toda a humanidade possa ser feliz.

Gratidão pela atenção e paciência.

Busque conhecimento, emita amor, seja Luz!

  • Maynna Fava

    gratidão demais por esse texto, por essa luz!!!

  • Annelise Campos

    Nossa, como eu precisava desse texto! Obrigada!

  • Maria Paula Pereira

    Cai por terra o véu da ignorância que sutilmente nos encobre… esse texto me ajudou a reconectar com uma parte minha que já sabia de tudo isso. Aho!

  • Izabela Bittencourt

    Certamente fui um dos seres que vibrou por receber esse conhecimento e sou imensamente grata pela Sabedoria contida em cada palavra compartilhada! Paz e Luz, irmão!!

  • Leonardo Jacob

    Texto sensacional !! Achei o mais esclarecedor dentre todos que já li interligando e dando mais esclarecimento sobre o sexo em nossas vidas !! Gostaria apenas de apontar um pequeno detalhe sobre a palavra “homossexualismo” utilizada bem no meio do texto (por volta do 215° parágrafo) cuja terminologia é designada a doenças. Não que isso tenha tirado o valor de cada importante mensagem que o texto traz, mas acredito que é um detalhe que vale a pena ser digno de atenção. Grande abraço de luz !! <3 Muito Obrigado pelo conteúdo !!

  • Jaqueline Dal Moro

    Gratidão!Gratidão!Gratidão! <3

  • Giovanna Batini

    Olá meu irmão. Eu concordo com tudo o que falou a respeito da Matrix, reptilianos e sobre a energia sexual mal utilizada. Só não concordo com a religiosidade impregnada nas suas idéias. Existe uma matrix espiritual que alimenta a Matrix aqui na terra, que é completamente tomada por entidades “de luz”, Santos, anjos, etc…Trabalham todos para os reptilianos, Jesus não existe, nem nunca existiu, através de minhas experiencias, ao desencarnar você é pego pelos capatazes da matrix espiritual e se entrar no tunel da luz você está pego, nunca vai sair da roda de samsara. Fábrica de dor. A libertação está além disto, além de qualquer religiosidade, Deus é uma fonte isenta de hierarquia, nossa ligação é direta com Esta Fonte, não há , nem nunca houve representantes de Deus entre nós, se houvesse, não estaríamos criando ectoplasma para alimentar estes seres hediondos. É tudo história da carochinha para te fazer acreditar neste mundo imundo.

    • Navarro Debora

      creio que Jesus foi um mestre, tal qual Buda ou Osho…..mas representante de Deus somos todos nós!!!!

  • Carolina Righetti Corrêa

    Estou arrepiada, emocionada, e coberta de amor ♥
    Engraçado como esse tipo de leitura cai somente na hora certa.

  • Valdirene Ferreira

    Texto impecável, imensamente esclarecedor, cada linha. Mas “Sou um ser superior, mais evoluído e darei o meu silêncio como resposta”, foi desnecessário.

  • Leilane Taborda

    Poderiam me dizer quem é o autor do texto? Adorei e gostaria de saber mais sobre ele.

  • Markus Emannuel

    Gratidão!

  • Leonardo Jahn

    Olá irmão.
    Como prometido, cá estou.

    Primeiramente, gratidão pelo grande texto.
    Assim como meu xará ali (Leonardo Jacob) gostaria de apontar que o uso de algumas palavras pode ser mal interpretado. Ou as vezes nem precisava estar no texto como no caso do feminismo que, ao meu ver, não agrega ao paragrafo e pode distorcer alguns véus.
    Sua comparação de prazer equiparando sexo a meditação é excelente. A comparação e a diferença entre os prazeres merecem uma abordagem mais profunda também 🙂 Sinto falta e lhe peço que publique um texto com exemplos meditativos. Sempre imagino como o faz e como alcançou tal estado de tamanho êxtase e contato.
    Foi assim que também limpou suas crenças? Inclusive me parece que o processo de crenças é importante a todo instante aqui. Principalmente quando toca na monogamia. Isto pra mim sempre é cada vez mais claro. Já não me fazia sentido o todo ser amor, irrestringível e infinito, e limitar-se a um de seus infinitos seres ao se tratar de sua forma de expressão mais pura, se é que posso colocar assim.
    Com relação a nosso grande mestre Jesus recomendo, mais uma vez, a leitura das Cartas de Cristo (+complementares) onde há o esclarecimento dele sobre o que houve e o que ele quis dizer enquanto encarnado e como essa mensagem foi e vem sendo distorcida. Acesso livre a elas no site: https://cartasdecristobrasil.com.br/
    A questão da masturbação é também complexa. Acredito que assim como a modificação alimentar para vegetarianismo/veganismo exija um processo de transformação de algumas etapas para que a energia pare de se transformar em algo destrutivo para se transformar em algo criativo. Gostaria então de acrescentar que aos que ainda o fazem que tomem muito cuidado com as energias direcionadas. Você afeta a você e a pessoa a qual direcionou a energia, portanto procure se ater a uma forma que não prejudique a outros como, no caso de estar em um relacionamento, pensar no seu parceiro de forma carinhosa. Procure ser o menos agressivo e destrutivo possível, isso influenciará na sua experiência e dia a dia também.
    Sobre o crescimento é algo bem complexo também. Frequentemente, como bem sabe, o professor Hélio Couto comenta de relações que acabam pois um cresce mais que o outro. Então acertar um relacionamento além de acertar as forças yin e yang tem de também concordar o crescimento dos seres pra que não haja posterior disparidade. Olha a física aqui de novo pedindo que equilibremos forças e aceleração de crescimento hehe

    Por hora é só. Ficam minhas recomendações e meu pedido por situações mais práticas, como ocorreu aqui com o sexo, com a meditação e outros mais por vir. E que essas ações atinjam tanto a nós encarnados quanto aos desencarnados para que o crescimento seja constante.

    Grande abraço e muito obrigado pelo trabalho de Luz!
    Namastê!

  • Chico Astral

    Senti um milhão de sentimentos com este texto !
    ensinamento valioso, e parece que cada palavra lida, como se já fosse conhecida aqui internamente.
    Gratidão pelo Esclarecimento, pela Purificação e pelo Contato, obtido através dessa partilha de sua experiência, de tua cura. Com certeza está fazendo parte de minha cura e que se expande em uma cura de todos as outras almas que partilham da mesma fonte, o amor.
    Gratidão imensa querido irmão de luz ! (palavras nunca irão dar conta da coisa)
    Abração – coração à coração 👽 ❤🌼

  • Cláudia Botas

    Na hora exacta, no momento perfeito para toda a informação partilhada fazer todo o sentido na minha mente 🙂 muito grata por toda a explicação <3

  • Daniel Marques

    Fui convidado por uma amiga para ler esse texto e participar do bate-papo sobre ele. Todavia, sei que o que escrevi aqui, logo será excluído, mas, faz parte.

    Peço licença, então, para expor aqui a maneira como eu o interpretei, e para isso, vou fazer apenas alguns apontamentos soltos, que acredito, serem capazes de fomentar o debate (e também para não ficar exTENSO rsrs).

    Na verdade, nem sei por onde começar, mas vamos lá heheh

    Vamos pegar esse trecho:

    <>

    Só esse trecho daria para escrevermos um texto maior ainda que o que a pessoa escreveu, mas me contento em jogar as sementes:

    1) Oras, se são os dracos-alguma-coisa que fazem isso com a gente que fazem tudo de mal, por que no decorrer do texto, o(a) autor(a) (doravante tratado(a) como X) diz também (sic) que tudo isso vem e é fruto do ego? (será que X estava pensando no Draco Malfoy e no Harry Potter?)

    2) Ou será que, ela leu um texto básico de neurociências, que fala do sistema límbico e reptiliano do cérebro, e daí acha que tudo é réptil? Pegue o medo por exemplo, se não fosse por ele, não sobreviveríamos. Como aprender a olhar dos dois lados da rua antes de atravessar? ou lidar com animais ferozes e venenosos? Ou tomar cuidado ao lidar com o fogo para cozinhar? Com certeza, medo é “involutivo” (sic) rsrs

    3) X faz uso de construções equivocadas, por exemplo, raciocínios indutivos e dedutivos (que qualquer criança ‘deveria’ saber, isso para não entrar em outros pensares mais complexos), e cria resultados não verdadeiros, e com causas falsas, quer ver um exemplo?

    Pelé é afrodescendente e jogador de futebol, LOGO, todos afros são jogadores de futebol. (dedutivo)

    Ou

    Tenho visto vários jogadores de futebol homens, LOGO, todos homens são jogadores de futebol, se Brad Pitt é homem, LOGO, ele é jogador de futebol (indutivo).

    Daí você fica livre para criar as construções que desejar, por exemplo, Os dracos geram medo e raiva, TODOS homens (uso no geral, o que inclui mulheres) tem medo, raiva, etc, LOGO, Dracos-répteis dominam toda humanidade! (sic!!!!!!)

    etc

    4) É justamente o “ego” que permitiu X escrever o texto, e permite os leitores lerem, trocar de roupas, pensar e viverem. Quer ver algo sem ego? Sugiro uma visitar e conhecer lugares onde cuidam e tratam de pessoas psicóticas (essas sim, sem ego mas com certeza com cérebro reptiliano e límbico, ou se preferir, sob influência dos “répteis malfoys” (que com certeza, X não pensava na Mafalda, essa sim pensa e questiona), parece que X desconhece conceitos básicos de psicologia, medicina, biologia, história, evolução, etc e faz uma verdadeira Hellmans airways.

    5) Difícil falar no texto, sem pensar nas falácias!!! Que são argumentos que parecem verdadeiros e podem até passar como tais, se você não refletir neles! Seguem algumas:

    Falácia do apelo à autoridade: o texto de X é verdadeiro, pois ela diz que é, afinal é única sem influência dos dracos e sem ego, e única que é “multidimensional” (sic!!!) (então, eu apelo à minha autoridade, pois estou sem provas, sem embasamentos, com construções de raciocínio equivocados, e deturpando conceitos de várias áreas).

    Falácia do espantalho – desvirtuar conceitos e argumentos, para ficar mais fácil manipulá-los em seu próprio favor (isso é ego! isso é réptil! isso é inconsciente! etc)

    Falácia causal – propor causas entre coisas nada a ver!

    Falácia do apelo emocional – uma vez que não tem lógica e raciocínio, apelo às emoções, “Oh queridos irmãos”, todo sofrimento de vocês, da unha encravada ao não saber falar outras línguas ao tesão em transar, vem disso (dos répteis), vocês estão perdidos, etc

    Falácia da ignorância – isso tudo é muito complexo para quem não despertou a multidimensionalidade conseguir entender.

    Sugiro para quem gostou, ler esse artigo e por si só ver como o texto se encaixa em praticamente todas as falácias ali! Senão, o texto que escrevo já está ficando extenso demais

    https://papodehomem.com.br/falacias-logicas/

    6) Nem vou entrar no quesito de mais que três dimensões, pois até hoje não sabemos direito, há apenas especulações do que poderia ser a quinta, se considerarmos a quarta como sendo o tempo. Pois como um cérebro humano e funcionando em 3d (mais o tempo) pode pensar em algo além de sua própria capacidade?, seria como esperar que uma máquina de datilografia descobrisse o que é um computador! rs Tampouco, vou mostrar a falácia e ilógicas das construções: energia sexual, líbido, energia da criação, etc já que em cada parágrafo X mistura, confunde e deturpa, que ela mesmo se contradiz o tempo todo!

    Então, se me perguntarem o que achei do texto, diria que é um belo texto “esquisotérico” rsrs no duplo sentido mesmo!

    E não me surpreende o texto ter mais de 20 mil leituras e ninguém questionando!! rsrs Troque o termo draco por diabo, e X como sendo um pregador religioso qualquer, e pronto!

    Temos tudo lá, tudo é culpa do diabo/draconianos, só eu X/pastor posso salvá-los e dizer o que é a verdade, o tesão e sexo (e a serpente e maçã) continuam sendo pecados e tabus, nesse sentido, o texto de X é igual texto evangélico e católico, com milhares de seguidores e ninguém questiona!

    E o mais curioso, pessoas que provavelmente curtiram esse blog, correm o risco de serem as mesmas que chamarem “crentes e afins” de presos em crendices e menos evoluídos (sic!!), e que são fanáticos e nem questionam o que X diz, ops, digo, o que seus pastores e padres e líderes religiosos dizem.

    Bem, posto tudo isso, falta ainda questionar sobre a espiritualidade em si!

    1) O blog tem um outro texto intitulado ” cada um tem de mim exatamente aquilo que cativo”

    <>

    Percebem que a contradição atravessa todo o blog? só comparar esse trecho, com o do texto do Sexo, e vocês percebem o quanto é esquisotérico o blog!! (esquisito e alienante/alienado)

    2) Se não damos o que não temos, então, óbvio que X, só poderia dar o que tem! ou como ela critica os outros que acham que terra é único lugar que se acham que são seres inteligentes

    <>

    Ela só pode ver o que tem dentro de si, pois projeta no outro, seus incômodos. Como diria Freud, quando X fala do restante da humanidade, sei mais de X do que da humanidade! Ou como diria Renato Russo, “nos deram ‘espelhos’ e ‘vimos’ um mundo doente!” Não por acaso, no texto transparece conceitos e dificuldades em lidar com sexo, de precisar achar culpado externo para justificar ações, em masculino ferido, etc

    .

    3) Tem um provérbio Zen que diz

    “Ache um lugar onde DEUS não está/É”

    Pois como alguém que viveu a multidimensionalidade ou que fala que Deus é Tudo e o Todo, não percebe isso? Até mesmo um pensamento como “matar alguém”, se aquilo não for Deus também, ele já deixou de ser o Todo, e ficou um pouco menos!!

    Como falar de algo multi, se nem entendi a tri? rs e se vivi algo multi, como não perceber Deus em tudo?

    Por que essa luta e raiva e agressividade que X mostra no texto? Gosto da visão espírita ao tratar do assunto dos obsessores, não temos como ficar bravos com eles, pois são apenas crianças espirituais! Podemos tratá-los com amor! No ontem do tempo, éramos nós os tais “obsessores/dracos/satãs/etc”

    Como não perceber o TODO?

    E pior, ela fala de algo multi, sermos deuses, etc, mas ainda vive no prézinho das religiões, pois ainda divide Criador X criatura, ainda nem caminhou para o “Somos todos UM”.

    4) E como dizer que vivi algo multi, rs, e que dracos NÃO são da Terra!! (sic!!!!!!) sendo que nem mesmo o que ela diz serem “humanos” tampouco são!! rsrs aliás, ninguém encarnado é da Terra, e mesmo que houvesse Dracos, muitos deles são encarnados, e curioso, são tão humanos também!! rsrs

    5) É claro que existe entidades espirituais tentando nos influenciar, mas me parece, que humanos fazem isso também o tempo todo uns com os outros! Vide o texto de X! Vide a gente com nossa própria família!! Muito melhor o discurso de Buda quando despertou/iluminou, ele diz algo como

    Jamais acreditem em livro algum, deuses, santos, gurus, etc e TAMPOUCO acreditem em mim e no que estou a lhes dizer, mas analisem tudo e tentem vivenciar/experienciar e descobrirem por vocês mesmos! (ou seja, usar a cabeça, afinal, Deus te deu um cérebro é pra pensar! Usem a cabeça/razão, mas Deus deu também coração e alma, então, usem o conjunto)

    6) Pensamentos, sentimentos, podem influenciar. Vide a hipótese da incertesa de Heisenberg, ou sua própria sensibilidade. Mas daí a misturar aS ciênciaS, com suas diferentes epistemologias e cada uma com sua visão de mundo, misturar aS psicologiaS, e aS religiõeS, tem muito chão! Melhor evitar, do que sairmos dizendo nonsenses. Vemos em partes, um dia veremos face a face! 😉

    7) se Deus criou tudo, então, o ego e malfoys e também as Mafaldas, tem suas razões de serem!! E sexo também! 😉

    8) Quando filósofos como Cortella, Karnal, etc, falam sobre as pessoas e seus debates políticos, culturais e religiosos, eles falam que falta muito estudo básico de História, Cultura, Política, Teologia, Psicologia e acima de tudo, muita terapia para tais pessoas! Por que será que falam isso? 😉

    9) há um Jesus, e há uma força Crística, há um Jesus histórico e há o Jesus mítico (criado pela religião), você é capaz de ver essa diferença? Se ainda não, então, vamos voltar aos estudos básicos!

    10) se até aqui,já houve tanta confusão no texto de X, o que dirá de entrar nas metáforas do porquê das religiões, do véu de Maya/Isis/Matrix, da realidade e da Realidade, dos mecanismos que nos fazem evoluir, etc etc etc?

    Vou ficando por aqui, não pude me dedicar muito às reflexões sobre texto de X, e na pressa posso ter cometido equívocos, peço vênia pelos mesmos, espero ter podido contribuir para o discernimento e vamos proseando!!

    Abs heheh ficou espaçoso o texto, mas não tem como deixar quicando tantas pontas soltas sem questionar elas! ^^

  • Taysa Rebeca

    Gratidão!

  • Mary Wolf

    Muito bom texto! Mas há algumas contradições que eu gostaria de pautar (talvez seja apenas uma confusão). Por exemplo, quando você fala de homossexuais… Bom, já que a energia da criação/sexo consciente, pode ser alcançada não só através do modelo padrão biológico homem e mulher, então isso significa que, através de pessoas do mesmo sexo é possível alcançar essa energia de expansão da consciência, certo? Sendo assim, homens que se relacionam com homens e utilizam o sexo anal como prazer além do prazer carnal, pela lógica, através do sexo anal também há a probabilidade de haver essa troca de energia, correto? Caso contrário, estaríamos nos limitando, e mais uma vez, cairíamos numa armadilha do ego.
    Outra coisa que não não entendi muito bem foi quando você disse lá em cima que a monogamia é uma limitação criada pelo ego, um estereótipo padronizado, criado pelas normas de uma sociedade dominada pelos dogmas e crenças fundadas em mentiras seculares, certo? Mas observei que logo no final do texto você diz… “optei por utilizar minha energia de criação somente para manifestar o amor e, para que chegue na matéria, para que se torne sexo, somente com o encontro entre duas Centelhas Divinas.” Então a energia do amor só pode ser alcançada entre duas centelhas divinas? Pode explicar melhor?

    • Leidiane Vieira

      Sim, eu precisava receber essa mensagem. A minha alma tem sede destas Verdades. Gratidão!

  • Alvaro Danza Vilela

    Vai fazer 4 anos que iniciei meu despertar. Nesse período, li muito, experimentei muito, vivenciei muito do que li, e me identifiquei muito com este texto. Por vezes me emocionei a ponto de precisar interromper minha leitura pela emoção. Principalmente ao final, em seu pedido de perdão. O tomei pra mim e pedi perdão ao meu feminino e à todas as mulheres que um dia feri.
    Gratidão por este maravilhoso trabalho de iluminação.
    Tem em mim um aliado em sua multiplicação.
    Paz e Luz!!!

  • ELAINE CAPITANI PAIVA ESTEVAM

    Raoni, quanta coragem! Que consigamos assimilar tanta informação. Gratidão, gratidão, gratidão.

  • Natália Camargo Do Prado

    Te amo por dedicar seu dia nesse texto !!! Senti em meu ser !!! Gratidão 🙏

  • Shirlei Alexandra da Cunha

    Gratidão. Até que enfim achei alguém que entende de amor e de sexo além da matéria. Não sei destes reptilianos mas que Deus é amor puro e que o ser humano é cheio de regras essa é a maior verdade.

  • Adriana Mangabeira

    Gratidão profunda por compartilhar. Melhor texto que li na vida
    💝 ✨

  • Adriana Mangabeira

    Me perguntaram muito quem é o autor 😉

  • PAULA MELISSA

    gratidão <3

  • Prem Mallika

    Eu não faço sexo há uns 6 anos, mas faço amor todos os dias, muitas vezes ao dia, nas minhas meditações e nas minhas conexões com a energia criadora. Também não sou contra o sexo e o prazer, muito pelo contrário rs mas estou no meu processo de autoconhecimento, de abertura para que essa centelha divina que me habita cresça e ilumine a mim e quem entrar em meu campo energético. Amo você meu irmão e te agradeço <3

  • Ana Paula Balestrin

    Esse é um dos melhores textos que já li! Muita gratidão por todo o Amor e emoção que você nos passa através de suas palavras. Paz e luz…

  • Vinicius Kurabayashi

    Namastê ! Que o mundo veja.